quarta-feira, 13 de junho de 2018

To Russia, with faith e fatos bem catitas



Adoro Mundiais. E Europeus. E a Copa América. E o CAN. Quando aconteceu ter licença de paternidade, fiquei todo feliz por ter calhado num janeiro. Segui atentamente a competição Africana, torcendo pelo Mali - eu e o rebento - muito antes do advento Marega. Aliás, tão concentrados em ver os jogos estávamos que nem demos pela queda da pirralha do sofá abaixo. nem eu, nem ela, que ainda demorou uns segundos a berrar, para meu absoluto pânico. Pai do ano, naturalmente.

Já se vê que estou em véspera de me babar abundantemente com o Mundial da Rússia. Abre logo em grande estilo, com um anfitrião vs. malta das burcas. A Europásia contra o Médio Oriente, gás com fartura versus petróleo em barda. Na primeira fase é que há os jogos mais suculentos, como o fantástico Austrália / Islândia, o épico Panamá / Tunisia, ou o clássico Japão / Senegal.

E também há outros igualmente interessantes, embora menos coloridos, como o confronto Ibérico de quarta-feira.

...

Por falar em nosotros y nuestros complicados hermanos, diga-se que chegamos a esta competição com um estatuto inédito: somos Campeões da Europa. Isto é, os maiores de entre boa parte dos muito grandes.

Eu cá acho indecente fazerem isto ao Passos Coelho e ao Portas e aos ministros deles. Então andaram os moços, e o país a reboque, a clamar aos quatro ventos que não senhor, nós não somos a Grécia, para agora estarmos para o Rússia 2018 como os Gregos para o Alemanha 2006. Ai, espera, esses nem chegaram a qualificar-se para o Mundial. Ufa, lá se safam Pedro e Paulo. Nós não somos a Grécia. Para grande tristeza da Catarina que já se estava a ver vizinha do Tsipras, mas do Alexis, o de esquerda, o à maneira, não o que ele depois se tornou, à conta da burguesia e assim, nem a Mariana, toda ela calores com o homem, já lhe pega.

Por acaso, é curiosa a comparação, sendo que a Grécia não é famosa pela sua expansão marítima, mas nem por isso deixou de ter os seus períodos áureos de escravatura. Ah poijé, bebé Catarina. e acrescente-se a exploração sexual desde idades bem tenras, em passeios pelos campos, mestres filósofos e seus tenros aprendizes. Justiça se faça, e por aí pode a Catarina descansar, era malta muito pouco chegada a heterossexualidades. Enfim, como diria Sócrates, só sei que o Carlos Santos Silva é que sabe. Ou assim.

Fica então estabelecido que não somos a Grécia e, pessoalmente, creio que vamos abrir a competição com uma vitória, só para contrariar o esperado empate. Se não estão a contar connosco, pois deviam. Os franceses é seguro que estão. Não há Eder, mas temos um Guedes com orelhas de abano prontinho para ajustar umas contas. Merci.

...

Em A Culpa é do Cavani, escolhi apoiar a Nigéria, como segunda equipa. Os resultados, até ver, são espantosos. Ainda mal se sabia que eu era pela Nigéria e já estavam os millones a entrar. Sete ponto dois milhões, mais exatamente. Deve ser patrocínios à minha conta e isso. Ou então venderam o Etebo, uma delas. Vocês sabem que eu aprecio o moço, e torço para que faça um belo Mundial, mas quero mesmo, é ver quantos destes milhões serão investidos para o clube aqui das traseiras de casa fazer um campeonato tranquilo.

De resto, no que diz respeito às fatiotas, já ganhámos de goleada! Se pensam que ironizo, estão muito enganados. É confirmarem vocês mesmos. Só é pena ser em verde, mas nós bem sabemos que a escolha das cores das bandeiras é um mistério insondável. É olhar para a nossa. Também não tem muita graça que sejam conhecidos por Super Eagles, que parece nome de grupo organizado de adeptos. De qualquer forma, não consta que sejam perseguidos pela PJ, o que já marca uma enooooooorrrrrmeeeee diferença.

...

Ora bem, então temos aqui o Tugão a correr por fora para Campeão e a Nigéria pronta para ser batida na final. Mas diz que há gente que não sei o quê os favoritos. Ora bem, se é para não perceberem nada de bola e dizerem o mesmo do que os outros todos, então a lista de favoritos, aqui na Tasca, fica ordenada assim:

1. Brasil
2. França
3. Alemanha

Eish, tudo malta que andou a dar forte na escravatura, credo.

E broxelências, quem é que acham que limpa o caneco?

...

segunda-feira, 28 de maio de 2018

O Corpo de Deus

- Valha-me Eu Mesmo, que desperdício de
Livre Arbítrio, credo. - Abana a Grande Cabeça, um tanto incrédulo, um tanto desiludido. - Sinto uma ânsia cada dia maior de corrigir este pequeno erro. 

- Passou ainda muito pouco tempo, Senhor. Somos uma espécie muito jovem, é natural que sejamos parvos. - Tenta amenizar, o factor corporativo a falar mais alto.

- Talvez, talvez. Não deixo de sentir que correria melhor se tenho apostado nas centopeias. - Cofia as barbas. 

- Argh, Senhor, tão feias, cheias de patas. Olhe a experiência em Znodar... - Arrisca.

- Que tem? Já viste as gavetas das meias e cuecas dos Znodarianos? Im-pe-cá-beis, pá!

- Vai-se a ver é porque não há assim muitos Znodarianos... - Entre dentes.

- Kié? Outra vez isso de ficarem sem a cabeça à primeira queca? Um detalhe, Pedro, um detalhe. Para além de que Louva-a-Deus é um nome muito feliz para uma espécie. Eu acho. E olha, não sei, mas cá pra mim, os teus amiguinhos lá de baixo não andam longe de pensar que isso é boa ideia. Equidade a sério é ser a fêmea montada à canzana, para nem ter que ver o macho, e quando estiver assegurada a continuidade da espécie, zás, arranca-se-lhe a cabeça à dentada. Aposto que ainda aprovavam uns subsídios para isto. - Esboça um sorriso.

- É a juventude, Senhor, verá. E talvez pudéssemos usar outros termos. - Olha em volta, preocupado. - Não é lá muito boa altura para dizer macho e fêmea, é um bocado confuso. Coisas de jovens, já se vê.

- Mas foda-se, oh Pedro, em tão pouco milénio já fizeram merda de caraças, não? Não há paciência. E depois é esta soberba que não se entende. Consideram-se tanto e tão e tudo, que lhes parece sempre adequado perderem tempo com as merdas mais inimagináveis. Vou é acabar com as subtilezas. Ai agora um maluco no poder a ver se entendem, ai agora umas catástrofes naturais a ver se acordam, e nada. Nadica! Uma praga é que vai ser. Manda-se os de Znodar invadir aquela trampa e comer-lhes as cabeças a todos. A eles e a elas e aos entretantos, a ver se não acham logo estupendo serem os géneros diferentes.

- É isso que o irrita, Senhor? A sério? - Indignado. - A fome, a guerra, as criancinhas, a Maria Leal a cantar, enfim, toda uma cornucópia de desgraças a pedirem a atenção Divina e é com isso que se preocupa? 

- Pois claro! Eu tenho um Universo para manter em equilíbrio. Lá tenho tempo para pormenores? Agora, o género é um factor crítico da Criação. E o Criador sou Eu!

- É um pedacinho culpa Sua, havemos de convir. - A muito medo. - Com essa coisa de “à imagem e semelhança” e da Santíssima Trindade, que é 3 em 1, melhor que o champô das estrelas de cinema. É sempre Ele, o Senhor? Se sim, como é que Ela é “à imagem e semelhança”? E a mulher do Zé? Pelos vistos a Mãe não era da Trindade. Não parece lá muito equitativo em termos de género, não...

- Muito engraçadinho, o senhor Pedro. É pena o cancro terminal que o manda da Vida Eterna para melhor, não é?

- Hã? Isso pode-se? - Em pânico.

- Pergunta parva, hein? Mas não tenhas medo, com a dificuldade em arranjar criadagem em condições nesta Eternidade, desculpo-te mais esta, oh pescador. Pá, à imagem e semelhança é uma metáfora. Também é sabido que Sou todas as coisas e não vês malta a defender o direito de se sentir uma bolota, apesar de ter sido batizado Maria, pois não? E não me apetece agora falar disso do Espírito Santo ser Pai de Si Próprio. Foram tempos complicados... - Pensativo. - Caramba, não me rala que se engalfinhem por qualquer disparate e que se ponham a discutir pintelhos até à exaustão, mas pilas são pilas e con... - Interrompido:

- Senhor!! - De olhos muito abertos.

- Ora Pedro, queres que lhe chame o quê? Senaita? Rata? Pipi? Isso é que são lindas palavras, é? Opá, fartinho até aos colh... - Interrompido:

- Senhor!!

- Enfim, como se fazer a luta pela igualdade fosse igual a abolir toda a diferença. Como se o primado da tolerância pudesse ter raiz na intolerância ao contraditório. Cansado, eu estou.

- Pois, está claro que eu sou um mero Santo, não posso compreender o Grande Plano Cósmico na sua infinita totalidade, mas ainda assim, que não sei, pensei que o preocupava mais a Eutanásia do que quem é que é contra rapar as sovaqueiras e outras pilosidades quejandas.

- Qual Tânia? Não conheço nenhuma Tânia, era concerteza alguém muito parecido comigo. Nunca lá estive. 

- Não, Senhor, não é Tânia nenhuma. É aquela coisa do suicídio assistido, da morte programada.

- Naturalmente, Pedro. É sempre programada. É nascer que já se fica logo com ela agendada, qual é a questão?

- Ora, Senhor, o direito sobre a Vida e a Morte é só Seu, não podem agora os vivos, ou os mortos, para o que importa, virem decidir se... - Detém-se perante a grande manápula levantada.

- Quero lá saber! Morrerão, assim tenham nascido. É esse o Meu Desígnio, nada mais.

- Mas...mas... a Doutrina... é sabido que é Pecado Mortal porem-se as pessoas...

- Poupa-me pá, não me metas nessas picuinhices. Aiai que isso é Eu que mando e ninguém mais mete a pata, vai já tudo para o Inferno, sem passar pelo Purgatório e receber dois contos, se não for Eu a mandar. Vais quinar anyway, mas só quando eu disser, pumbas bem feito. Soa um pedacinho a falta de confiança, não? Parece a Divindade que tem que ser um ditadorzeco no trabalho, para compensar a porrada que leva em casa e isso tudo. Eu Sou. Ponto. É quanto basta. E estou muito abatido de vos aturar, mais aos vossos disparates. - Deixa cair a cabeça entre as mãos.

- Pronto, pronto. - Passa-Lhe um braço pelas costas. - Também precisa de se distrair um bocado. Olhe, aproveitemos o feriado e vamos fazer qualquer coisa diferente. Sei lá, criar uma nova espécie ou assim.

- Feriado? É feriado de quê?

- Corpo de Deus, Senhor.

- Hã? Mas se Sou incorpóreo! Como assim o Meu Corpo? Era o que faltava! Ainda me meto numa série de chatices por ter as pernas depiladas à conta de andar de bicicleta ou assim. Nem pensar, quais Corpo de Mim quais carapuça!

- É o que diz aqui, Senhor, eu não tenho a culpa.

- Gafanhotos. São amorosos, os gafanhotos, mais aos seus saltinhos. Upa, upa, poing, poing. - Salta á roda do outro. - Não achas, Pedro?

...

terça-feira, 15 de maio de 2018

Os olhos e os óculos

Lamento, mas existe uma probabilidade estatística não negligenciável de que sejas menos bonita do que te vejo. Embora seja certo que não te minto e que te olho. Ainda que me afaste, posto nos meus óculos já progressivos, com as mãos atadas atrás das costas, impossibilitado, portanto, de acrescentar tato à visão, és-me assim tão linda. Está claro que me recuso a enfiar um saco de plástico na cabeça, com buracos rasgados por altura das vistas, ainda que disso beneficiasse a exatidão do resultado da experiência. Anularíamos o efeito do olfato, esse sentido primordial, animalesco, que me traz no teu cheiro a minha casa. Por outro lado, correria o risco de asfixia o pobre sujeito posto à prova. Um teu criado. Recorramos a uma mola, pronto, que me vinque o nariz a bem da ciência. Sendo seguro que a esta segura distância não te provarei, espetem-se dois tampões nos respetivos ouvidos, não vá à tua gargalhada estragar os pressupostos do ensaio, e teremos anulado todos os sentidos, exceto esse de ter olhos e ver. 

Se uma comissão de estudo, um conselho de sábios, uma máquina espantosa, uma nova tecnologia alienígena, puder comprovar que te vejo mais bonita do que aquilo que és, então é porque tenho as portadas escancaradas para um pátio em Aboim, onde um ruminante improvável pasta os arbustos rentes ao muro. De dentro do quarto, a minha Alma vê-te passar, lenta, lânguida, descendo a estrada - será um caminho de terra batida? - em direção ao terreno da festa. Uma coluna presa ao poste de iluminação pública, virada diretamente para os meus ouvidos, debita - ainda não deram as sete - Avés a esta Maria, Senhora do lugar e das Almas que se atreverem - oh tu, meu pobre - a olhá-la através das suas janelas. Tão bonita.

...

Sou-te assim honesto, porque me debato com a irremediável dissonância entre Eu na minha mente e Eu no meu espelho. Nosso.

Regressemos aos meus óculos. Esses que uso para trabalhar, que têm uma griffe que agora não me lembra, à conta de uma promoção qualquer na compra das lentes. Como se tivesse sido imprescindível mudar as vidraças e, nesse caso, já se aproveitou e trocaram-se também os caixilhos.

Ponho as lunetas e o meu cérebro diz-me Clark Kent, intelectual sexy, maduro ma non troppo, os olhos meramente cansados de tanta letra, fantásticos poemas, donzelas arrebatadas, horas de estudo aturado dos Grandes Mistérios, hmmm disse sutra, cavalheiro com o seu ar Nespresso, what else?

Posso tirar a camisola, certamente, e deixar arejar os peitorais e o abdómen desinchado, talvez possa reparar nos pequenos traços dos músculos costais, e passear-me assim, os meus soberbos óculos nas ventas, pela casa, ao calhas. Quem sabe nos cruzamos no corredor, tu incauta, eu irresistível, o gato por entre as nossas pernas.

Pelo caminho o maldito espelho. Em dependendo do comprimento das barbas, um velhote de óculos ou um labrego em tronco nu.  E lá nos chocamos, inevitáveis, a meio caminho da casa de banho, tu compenetrada, eu um urso, o gato a exigir que o sirvam.

Deve acontecer, porque é uma regra implícita da tendência do Universo para o equilíbrio, que também tu sejas múltipla. E eu guarde nos olhos apenas a verdadeira. Tão bonita.

...

Deste desequilíbrio da beleza entre nós, resulta uma meia-verdade insofismavel, como os atrasos da ferrovia portuguesa: podias arranjar melhor. Só meia, porque mas.

Olha, logo para primeiros, podias enrabichar um moço novo, todo ele photoshop, passa-lhe uma pessoa a mão e nada se gelatina, tudo rijinho - não seja porca, minha senhora - tudo definido como deve de ser. 

Mas ías acabar a rir-te comigo, numa visita esporádica em nome dos bons velhos tempos, da pressa desajeitada, do fôlego mecânico, do tédio de não saber aproveitar o tédio. 

Os meus pés sujos da terra ocre, estendidos para fora da sombra do alpendre; o escuro do interior da casa, onde as moscas se refugiam do calor, a contrastar com a alvura do teu vestido de linho. Depois ias dizer “mas a pessoa passa-lhe a mão...” e eu ia disparar pelo caminho colonial mal alcatroado, montado numa motocicleta, direitinho à liquor store em Hikka. No portão, o teu vestido esvoaça numa última gargalhada que a velha empregada desdentada partilha - como se percebesse uma palavra, raisparta a mulher - e guarda no sari gasto. Voltarei mais cedo e menos bêbado do que o aconselhável para o aumento da tensão dramática, a velha terá feito biryani de galinha, com vegetais cortados muito miúdos, como tu gostas - como raio podia saber? - e condimentado na medida certa de uma Lion lager. Comeremos os três com as mãos, no quintal, e tu anunciarás que tencionas prolongar a estadia, ao que ripostarei, implacável, que não podes ficar mais do que cem anos.

Um século depois, encaixados na rede pendurada das palmeiras, dir-me-ás ao ouvido, afagando o meu peito enrugado, “uma pessoa passava-lhe a mão e tudo o que lhe apetecia era o teu caril de frango”. Felizmente, comprei a liquor store de Hikka ou teria que ir afogar a raiva para a dependência de algum banco. O progresso, como nas lentes dos meus óculos. 

Antes de a motorizada desaparecer no pó da curva, ouvirei o anúncio da Toda Poderosa: fico só mais cem, não vás esquecer-te de alguma data importante.

...

Eu bem sei que é fraco argumento, este de combater estupendos abdominais com especiarias. Mas é só porque as pessoas tendem a não perceber a importância do picante na língua. O modo como ela procura apaziguar-se em paladares doces, texturas macias, como se fosse absolutamente necessário desfazer as camadas de uma fatia de bebinca uma a uma. Na boca. Liquefazendo-se. 

Tu não subestimas estas indiossincrasias orais. É uma vantagem nossa, dos que nascem com a língua a arder, que tenciono utilizar em meu favor. E em teu, sempre que me der sede. Não me vou agora por a mudar uma equipa que ganha consecutivamente há tantos campeonatos.

...



segunda-feira, 7 de maio de 2018

Só assim! (outra carta ao Dragão Vila Pouca)



Grande Dragão Vila Pouca,

Podia mentir e dizer que foi para si um dos meus primeiros pensamentos, no eclodir da - yet another - festa, desta nova vitória, em mais um momento de libertação, como se uma nuvem cada dia mais negra deixasse de pairar sobre as nossas cabeças. Em cima de cujas o céu, afinal, nunca caiu. 

Não foi dos primeiros, foi até dos últimos. Numa sequência interrompida por outros pedaços da Vida, o coração a fugir apertado para os lados de Águeda - é outra história - e a correr transbordante de alegria para a nossa casa, o nosso Dragão. Todos vós enchendo o ecrã que teve que ser a minha janela para a alegria, essa que eu, perdoe a imodéstia, merecia tanto ter partilhado. Mas o que importa é que se deu, conforme previsto, conforme necessário, porque nem sempre a injustiça de uns homens se sobrepõe ao mérito de outros homens.

Às tantas, numa linha de raciocínio que é certo que envolveu cânticos e alguns abraços; que deve ter passado por muitos lugares e outras tantas pessoas; que é muito provável que tenha incluído belas mamas - só porque sim; lá cheguei a si. Salvo seja, que de mamas o meu amigo é uma vergonha. 

Certo é que tanta curva e contracurva das sinapses - juro-lhe que por vezes as oiço rebentar - cheguei a uma espécie de palco elevado, uma coisa em redondo, toda ela engalanada de azuis, como não podia deixar de ser. Nessa clareira da mente, nesse sítio onde se concluía, definitivo, aquele pensamento, entre os pulos e os gritos dos nossos heróis, eles próprios feitos adeptos, imbuídos da nossa alegria, afinal apenas mais umas dezenas no mar dos milhares que os rodeavam, como há muito - horas de vitória incluídas - não via, nesse exato instante em que mais uma sinapse fez pum e foi fogo de artifício sobre o viaduto, o silêncio repentino disse-me: Só assim!

Só assim era possível. Só passando por arbitragens como as da Feira, de Vila das Aves, de Moreira; pelo desrespeito em nossa própria casa, a mesa posta para os convidados, gostemos ou não deles, por obrigação desta educação antiga - diz que somos regionais e pequenos - quando nos impediram de ganhar ao 5LB; pelos erros próprios em Paços; pelas dúvidas existenciais do Restelo; só vivendo o momento de afirmação, sustentado numa crença inabalável, de vencer no covil do inimigo; sempre mantendo a par a luta lá fora, pelos poucos meios de que dispomos, e a raça, a emoção, os golos dentro do campo; só assim seria possível. Só assim! 

Quando me dava por contente pela minha conclusão, dei consigo. Lá estávamos, encostados ao murete em frente da porta 4. Os anos tinham andado um pouco para trás e fazia Sol, mesmo que não lhe possa já dizer se era Verão. Como sempre, eu defendia uma postura de recato, de competência e retidão, sem chafurdar nas lamas que tão claramente já vislumbrávamos. E estava artilhado de argumentos para todos os gostos, desde a nossa posição hegemónica - da qual você já duvidava basto - que não nos permitia ser guerrilha, até à superioridade que eu notava em campo, com a posse e o passe e uma cultura de equipa tão grande que já não me parecia caber num país tão pequenino. E mesquinho.

Isto não é Inglaterra, Silva! Se continuamos com esta postura mansa, somos comidos. Mas fazer barulho não chega, é preciso que lá dentro, no campo, as tropas consigam vitórias. Senão tudo esmorece. Este Clube foi feito de sangue, suor e lágrimas. Só assim, Silva, só assim!

Só assim, Vila Pouca, só assim. Obrigado.

E agora, estou aqui a matutar. Será que esta retumbante vitória nos deixa mais próximos de ser Inglaterra? Era bom, não era?

Um grande abraço, Campeão.

Silva

...



sábado, 5 de maio de 2018

Árvores frequentes, por Tininho Silva (com preâmbulo do tasqueiro)

Preâmbulo

É necessário que compreendam que o tio Deolindo era um homem bom. Nessa aceção que estão agora mesmo a fazer, mas também naquela outra que nós, homens antigos, comummente reservamos para as mulheres. Boas. Isto é, o tio era um tipo bestialmente bem parecido, coisa que aparentemente corre na família há gerações e não se crê estar a ponto de deixar de correr. Se pensarem que dentro desse corpo bem nutrido e torneado, com janelas nos seus olhos negros e expressão máxima num sorriso franco e fácil, morava um verdadeiro pinga-amor, rapidamente concluirão que partia corações com a mesma facilidade com que o bom do Yacine parte rins.

Quem não se habilitava a deixar que lhe partissem o coração, era a minha tia. Eita, mulher rija e de convicção arreigada. Ainda hoje. Sempre foi tacitamente aceite que sobreviveria ao seu esbelto marido, tanto quanto não restam dúvidas de que este sempre lhe seria - e foi - caninamente fiel. Apesar de tudo. Digamos que era uma alma de caçador, sempre atento, à espreita, incapaz de resistir ao thrill of the chase, mas no fundo - e nos momentos de todas as verdades - um vegetariano da melhor estirpe. Exceto em casa, como comprovam os meus muitos e parecidos primos e primas. Ainda que de todos, apenas um seja mesmo, mesmo meu primo de coração.

Assim será mais fácil entenderem os risinhos aparvalhados da menina do guiché do Registo Civil, assim que pousou os azuis olhos no mancebo - pareceu novo até morrer de velho - que lhe sorria do outro lado do vidro. De tal maneira que nem reparou no olhar fulminante da senhora, criança ao colo, que acompanhava o dito cujo. Abençoada de mamas, mas fraquinha da inteligência, a moça era toda mãos a alisar o cabelo e a puxar o decote até onde podia e ih ih ih diga-me lá o senhor ao que vem.

- Pois registar aqui o catraio, já se sabe.

- Ai tão novo, nem idade tem para ser pai. Ih ih ih. E que nome lhe quer dar a senhora sua sortuda? Perdão, digo, esposa. Ou nem tanto? - A esperança a encher-lhe os olhos e a inchar-lhe o peito. Para fora do decote.

- Tininho, tininho nessa cabeça, minha menina. - Instou a tia. O tom gélido que sempre conseguiu empregar, deixava-nos a todos em sentido, fosse por ser demais a correria ou hora de dormir. Já. Sendo que para se sentir tamanho receio, é imprescindível ter mais dois dedos de testa do que esta rapariga do Registo Civil. É atentar na resposta:

- Nessa Cabeça? Isso é o apelido?

- Não, credo! O apelido é Silva, pois então.

- Ah, muito bem, minha senhora. E desculpe qualquer incómodo. Para a compensar, aqui tem com a maior eficácia possível e jamais vista, a Certidão do seu menino. Vosso, maldita sorte.

- Como assim? Nem o nome lhe demos. - Disseram, balbuciando em uníssono, os meus queridos tios.

- Naturalmente que disseram, como se pode bem ver pelo preenchimento da respetiva Certidão. Aqui está, leio-vos:

Nome próprio: Tininho
Apelido: Silva

Os tios entreolharam-se de espanto, a menina disse:

- Queriam que fosse Da Silva, era? Haviam de ter feito o reparo em tempo útil, agora está o cachopo registado.

É deste modo que o meu primo, ao contrário do que muitos pensam e outros tantos especulam, não se chama Catarino, nem Albertino ou Tino, simplesmente. É mesmo Tininho o nome dele. É um melómano. Característica que o habilita a ser o crítico de música residente da Tasca, por muito que o senhor Monteiro da Silva o olhe um tanto de lado. Enfim, o Monteiro tem a sua razão, mas há sempre alturas em que o sangue fala mais alto.

...

Review de"Often trees", Blind Zero - por Tininho Silva

Em mãos, na verdade em ouvidos, para sermos completamente honestos, o muito aguardado segundo álbum dos portuenses Zero Cego. Sucessor do raivoso, um tanto grungico - quase obrigação da época em que foi lançado - e pearlajamado "Trigger". Apesar de que o escriba terá seguramente ouvido mais faixas deste primeiro opus do Zero, do que de todos os discos do Guedes wannabe, Veder. Acho eu que é assim que se chama. Ou então é Vader. Um deles. E sejamos francos, havia naquelas guitarras e nas vocalizações, uma vontade intrínseca de ser Metal. Um sinal muito positivo, a aguardar confirmação.

Comecemos pelo principio a análise a este "Árvores frequentes" - para título, não faz lá muito sentido, mas os artistas, enfim... - que é como quem diz, pela capa. Na categoria "discos com assentos na capa", podemos dizer que apresenta um sofá bem catita, todo ele em capitonê. Daqueles em que dá gosto a pessoa ficar refastelada, a ver o FCP a ser campeão. A arte trazer uma reminiscência do Dragão não está nada mal para inicio.

Está claro que não cometeremos a injustiça de nos pormos a comparar com outros lançamentos, igualmente com repouso para o traseiro na capa. Aos homens o que é dos homens, aos Deuses o que é dos Deuses. E não estou a falar do mê primo, mesmo que os WC Toillete - conjunto do qual tive a felicidade de participar - tivessem passado ao lado de uma grande carreira. Penso que foi do 33, para o Campo Mártires da Pátria. Era daqueles com lagarta no meio, grande para caraças. Há outros assentos que, mesmo se menos convidativos, habitam o Olimpo da descarga elétrica e com os quais mais vale não competir. Tipo, são o FCP dos discos com coisas para a gente se sentar na capa. E vêm em azul e branco e tudo, os maganos.

A minha grande dúvida em relação aos Zero, sempre foi qual o caminho que tomariam, dos vários que o anterior trabalho - Trigger - deixava antever. Libertar-se-iam das amarras da época e deixariam as guitarras conduzi-los por uma jornada revivalista pelos bons velhos 80s, sendo nomes maiores da New Wave of Traditional Heavy Metal? Ou acabariam seduzidos pelo éter e pelas moças bem boas de mamocas ao léu, às cavalitas dos seus namorados de ocasião, nas grandes arenas deste Mundo, e liderariam o movimento Hair Metal / Glam Rock, tão fracamente representado no nosso país? Lá hair tinham os moços com fartura. Sem verbalizar, suspeitava que nem uma, nem outra. Havia ali um laivo de intelectualidade que me deixava de pé atrás. Cá pra mim, aquilo ia dar um post-punk caviar ou derivar para o lado progressivo. Mais Dream Theater do que Zé Cid, está claro. Mas quais Procupine Coiso qual carapuça, deixai as árvores em paz, chiça!

Afinal, foi-se a ver, nada. Isto é, nem para uns lados, nem para os seus inversos. Ou então tudo, depende do ponto de vista. Condicionado por uma série de protótipos de disco destes cachopos que fui ouvindo, predispus-me a passar meia hora, mais os descontos de um jogo dos lagartos em Tondela, a maldizer as músicas e os autores e a minha vida e isso tudo. Como não sangrei do nariz depois de ouvir o disco uma vez, ouvi mais duas, a ver se me convencia da bela trampa que de lá tinha saído, pois os tipos continuam a insistir em não fazer aquilo que fariam melhor: Metal. E nada. Acabei soterrado ao peso de ter gostado, genuinamente, de muitas das canções. Pronto, algumas. Raios, mais do que era suposto, se queria escrever um post com piada para a Tasca. Dei por mim a pensar: estes rapazes haviam de gostar dos últimos álbuns dos Ope... naaaaa, deixa lá os elogios para o fim.

As músicas:

Lake, Escape (isto tem um feeling 70´s que lhe fica a matar), Palm (lake reprise?). Até o Still Loving You - sim, todos os discos têm o seu - resultou muito bem, sim senhor. Chama-se Won e aposto que passou na rádio. Estas são as boas. A muito boa merece o nome completo: The Siren

Há maijumasquantas, como diria o mê primo, porque isto dos discos compactos e das pen e assim, é coisas muito grandes que levam muita tralha e os conjuntos vêem-se gregos para encher aquilo. Se calhar foi por isso que estes fizeram também uma K7. A fita cai muito bem ao som orgânico - tem instrumentos a sério este disco, pois tem? - que percorre todo o álbum,

No fim, não sabia bem se me apetecia ir a correr ouvir o Big Brother ou se sucumbia ao elogio maior à obra. E confessava que me lembrei mais do que uma vez que há algum tempo que não ouvia...


Stay heavy  \m/
Tininho