sexta-feira, 7 de junho de 2019

Balanço 18/19 - III: Future World



Nas últimas eleições defendi, acertadamente, como é evidente, que Pinto da Costa se deveria recandidatar e, está claro, ganhar. Porque me fazia, e ainda faz, sentido que tivesse um mandato que lhe permitisse arrumar a casa, sair do jugo da troyka uefeira e retomar o ritmo de vitória. O que, per si, significaria combater com sucesso a lama pestilenta em que chafurda toda a nação. 

Defendi igualmente, com o mesmo acerto, que estas tarefas configurariam a grande missão do mandato: preparar o futuro. Já se vê que olhava para ele como sendo o último.

Hoje... penso da exata mesma forma, ainda que pouco do que advoguei se tenha cumprido. A casa está pouco mais ou menos na mesma, mudando uns nomes aqui e ali; a uma vitória não se seguiram outras; e o Presidente não parece ter preparado o caminho da sua sucessão. Da questão financeira, creio, apesar da minha confessada inépcia para a função contabilistica, que vamos saindo, Não sendo fácil, é o mínimo que se exige aos que aqui nos trouxeram.

É evidente que Pinto da Costa será o eterno presidente do FCP, mas isso não teria forçosamente que se cumprir de forma executiva. Mas vai. Kind of...

Isto para dizer que não se me afigura provável que haja um plano. Há coisas que acontecem, oportunidades e ameaças a que vamos reagindo, umas vezes melhor, outras nem tanto, sem que se vislumbre um propósito estratégico ou a proatividade enérgica que nos leve a criar o nosso próprio futuro. Vamos cá estando, reagindo e adaptando, sendo pouco parte da mudança, mesmo que, e muito bem, nunca tenhamos abdicado da importância que temos e reclamamos. Queiram os octópodes desta vida ou não.

...

Se vamos falar de bola, a situação é rigorosamente a mesma. Eu acho que devia haver um plano. Eu creio que não há plano nenhum. Há uma vontade, isso é indiscutível, haverá esforço e trabalho, certamente, mas navega-se à vista, enquanto a máquina vai funcionando. If you know what i mean.

Por mim, teríamos um modelo, uma espécie de Guia de Acolhimento transversal a todo o futebol do clube, que explicasse o que se pretende que seja um futebolista do FCP, quais as características que o devem distinguir dentro e fora do campo, quais as ferramentas que o clube lhe proporciona para que atinja a plenitude do potencial que lhe detetámos e, muito importante, qual a estrutura com que trabalhará. Quem manda, no que manda, em quem manda, com que objetivos. Enfim, accountability, transparência, propósito.

Faz de conta que neste campo restrito era eu que mandava chover. Teríamos uma coordenação geral, responsável por todos os escalões até à equipa B, liderada por alguém a quem, conhecendo o clube e o contexto, fosse reconhecida a capacidade para contribuir para a definição do tal “modelo de futebol FCP” e implementá-lo. Ou seja, criar o fio condutor, o elo, que tornasse formal e imediatamente evidente a transversalidade do modelo. Eu gostava de reconhecer a marca FCP em qualquer escalão da formação, independentemente de quem fosse o treinador. Ah mas isso até acontece, dirão. Talvez. De forma informal as pessoas vão-se acertando, dada a proveniência transportam alguns dos valores do clube, têm impressa a memória do que eles próprios viveram. Agora plano? No lo creo.

Ainda por cima, há gente perdida pelas Arábias e pela China a quem assentava que nem uma luva este papel. Malta que, empossada, não se deixaria engolir pela máquina, espero eu, como um Castro da vida. E, ao mesmo tempo, capaz de perceber que a função termina no degrau que antecede a equipa principal. Aliás, todo o seu trabalho tem como fim último o sucesso galáctico de um terceiro.

Ora, quem defende isto e se confessa adepto, sei cá, de um Oliver Torres, do bom do meu sósia Pep e assim por diante - mas também do nosso Mourinho, de Messi, mas igualmente de Ronaldo, com latitude para apreciar uns e outros - não poderia entregar o zénite desta estrutura a Sérgio Conceição. Quanto mais não fosse, porque teria toda a gente estado a bulir pró boneco. 

Ter um plano não significa acabar com a criatividade individual, significa apenas enquadrá-la e colocá-la ao serviço do que é comum. Reconhecer o génio, sim, mas ter claro que só é genial o que contribui para fortalecer e cumprir o propósito. O resto é foguete. Parecendo que não, fica implícita estabilidade e coerência. E é um modo de agir que se dá mal com estados de humor e truques de comunicação.

É mais ser o puto meio enfezado, de óculos, que tira sempre grandes notas e por quem ninguém dá um tusto quando chega a hora de andar à porrada. Da primeira vez. Porque afinal, vai-se a ver, o gajo sabe karaté e judo e krav maga e o caralho que os fodeu a todos. Um gajo com um plano.

Em resumo, dentro do que racionalmente eu defenderia, pelo menos de momento, a conclusão do post anterior não poderia ser outra: bye!

...

Dá-se o caso de Pinto da Costa não estar nada de acordo comigo, o que lhe fica mal, já se sabe, e olhar para o próximo como apenas mais um mandato da sua já longa caminhada em defesa do FCP. Este não foi o último e o próximo também não será. Ao mesmo tempo, parece provável que continuemos com o plano de não ter porra de plano algum.

Assim sendo, a nossa única hipótese é ir lá na marra. Porque somos adeptos e queremos ganhar e fazer festas e não ter que levar com os outros a ficarem com as nossas alegrias. Vai daí, é apostar as fichas no que podemos fazer. 

Se não somos o puto com um plano, é melhor que sejamos o matulão cheio de músculos. Vamos sacar uma ou outra garina, belas prateleiras, excelente rabo e assim, que não terá paciência para nos aturar por muito tempo. Calha bem que também mudamos depressa de gostos e vontades.

A questão é que se não conseguimos ver um caminho pelo meio do nevoeiro da floresta, a alternativa é ir em frente. O que significa que é muito provável que espetemos com os cornos numa árvore. É bom que tenhamos uma cornadura grande e forte e hiperdesenvolvida, maximizando as hipóteses de ir a árvore abaixo antes de se nos partirem as hastes.

Quer dizer que duvido da aposta na formação, porque o que formamos não manda carvalhos ao chão à cabeçada; duvido que a política de contratações tenha o fito de preparar solidamente o futuro, sendo mais do que uma coleção de oportunidades; duvido que a equipa B seja o estágio à Ordem dos nossos melhores alunos, porque nem chegamos a ser uma escola organizada; duvido que tenhamos sub 23, libertando a B para aquilo que aparentemente se pretende dela: minutos para os A que não jogam e castigo para meninos que se portam mal.

Do que não duvido é que tenhamos uma equipa competitiva, cheia de garra e raça, unida, com fome de vencer. Não me parece que vá jogar muito bem, mas acredito que pode ganhar. É por isso que, mesmo eu, agradeço que Sérgio Conceição fique. Porque é o nosso melhor plano. É o único, na verdade.

Assim sendo, por justiça, há que convir que a renovação com o treinador é um lúcido ato de gestão. Bem o Presidente. Agora é assumir que lhe deve ser entregue a batuta, deixar claro, se não estiver, que Luís Gonçalves tem que ser um moço de recados do treinador, fazer o que ele lhe disser dentro do que a SAD quiser pagar e seguir a voz de olhos fechados. Nós cá estaremos para empurrar.

Espero que também estejamos, porque a altura virá, para julgar os resultados. E esses vão um pouco para lá dos títulos que se ganham. Radicam igualmente no potencial que reconhecermos para repetir as vitórias. Ou não?

...

Entretanto, tudo começa com execelentes noticias: esta época não precisamos de ir ao Batalha para ter espetáculo! Uma vez que o preço do meu lugar anual subiu e já está ao nível do bilhete de temporada do São Carlos, tenho a certeza que me vão dar ópera todas as semanas. #SADbem

...

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Balanço 18/19 - II: Trial by fire



Pois claro que é um orgulho os sub-19 serem campeões europeus e nacionais; naturalmente que é maravilhoso festejar os títulos do hóquei e do andebol; raios, venha até a natação, que ganha sempre qualquer coisa e ninguém liga nenhuma. Ganhou?; ah, e o bilhar, evidentemente, porque não queremos deixar o Figo mal visto.

Maaaaas, quando se calam as redes sociais, o Porto Canal, os grupos de Whatsapp e o cansaço me empurra a testa para a almofada, a enorme testa de melão que transporto, lembro-me dos meus amigos lagartos e das festas que foram fazendo ao longo dos anos. O passado aqui é que me fode, porque é o meu presente. Raisparta!

...

Isto a propósito de ter dito a pessoas várias, aqui há atrasado - no dia menos um - que SC me fazia lembrar alguém. Uma aura Jesuíta, chamei-lhe. Isto dos podcasts é giro, porque depois se pode dispensar testemunhas.

Anos passados, devo desde já esclarecer que, para meu descanso, se confirma uma diferença abissal da qual, apesar de tudo, desconfiava: SC tem muito, mas em toneladas, mais classe do que JJ. Basta assim, não preciso de esmiuçar isto. Classe, em tudo.

Fiquei ainda muito agradavelmente surpreendido com outra característica que os demarca tão claramente que parece que foi lavada com Omo: SC gosta mais do FCP do que JJ alguma vez gostará dos clubes que treinou/treinará. Todos juntos. No contexto em que chegou e em que se vai movendo, no esgoto que é a nossa Liga, esta diferença é de uma importância vital. Creio que não teríamos ganho nada se ela não existisse. Bola!

A terceira diferença é ainda melhor: Europa! O nosso Sérgio quer ganhar. Sempre. Até a Taça da Liga, quanto mais as competições europeias. Sem pestanejar ou pensar na mossa que uma goleada pode fazer na sua imagem. Ao contrário dos que abdicam à partida e apostam apenas naquilo que lhes parece menos improvável poderem ganhar. Nisto também reside a capacidade que SC teve de reanimar o espírito do Dragão. Para lá da chatice da dança de abertura de época, espada incluída.

De resto, está lá tudo. A abordagem atacante ao nosso campeonato, embora com menos experiência e mais ilusão, o que leva a que se privilegie sempre o músculo à razão; o messianismo consubstanciado naquele “como isto estava antes de eu cá chegar!”; a culpa que é sempre de outro qualquer, mesmo enquanto se está a dizer “eu é que sou o líder, a responsabilidade é toda minha!”; o esticar jogadores para lá dos limites adequados; a incapacidade de perceber que fazer diferente não é ser derrotado nem revela pouca convicção; o facto de faltarem sempre opções de qualidade, jogadores que pediu e não tem e que deveriam ficar no lugar de jogadores que tem mas nunca vai utilizar. Porque não os pediu!; a gestão minuciosa dos momentos e da forma de comunicação, muitas vezes, que não todas, sob a capa da genuinidade, do coração ao pé da boca e da frontalidade; e, claro, o número de vezes que um jogador da formação tem que nascer para caber numa sua equipa. A menos que seja à força. Viva, Diogos.

Nesta questão da formação, diga-se que entendo. Dado o modelo e a forma de jogar, comparando com o que os miúdos aprendem no FCP ao longo da formação, dificilmente poderiam ser solução para uma equipa de SC. E era urgente ganhar! Na minha opinião, a Direção sabia disso quando escolheu o treinador e lhe pediu o que terá pedido. Se não sabia, é incompetente. Oh wait...

Posto isto, num país normal, fosse também eu normal e o futebol um desporto normal, a avaliação do trabalho de SC teria que andar entre o brilhante e o muito bom, sim senhor. Duas épocas de limitações financeiras: 1 título;  1 supertaça; 1 final da taça perdida nos penalties; 1 final da taça da liga perdida nos penalties; 1 presença nos 8 melhores da Europa e outra nos 16; segundo lugar no campeonato, em luta até à última jornada. Comparem lá isto aos anos anteriores. Como diria - e disse! - SC, como isto estava antes de ele cá chegar. Está claro que se esquece que “isto” vai muito para lá dele, envolve outros que também devem ter trabalhado melhor ou então - ah poijé bebé - nem puderam estragar, tão pouco era o dinheiro que circulava. Cá está um pretérito imperfeito que me assombra.

Só que há os adversários. O estado em que uns se puseram e nós conseguimos pôr outros, do qual tratámos no post anterior, não pode ser passado a pano. Na verdade, repito, em dezembro isto estava mais ou menos resolvido. Todas as características que analisámos antes se conjugaram, aliaram-se ao que deveria ser o último estertor do fétido polvo encarnado e deram uma bosta de proporções épicas. Ou seja, sim, há culpas próprias e, para mim, boa parte delas, atendendo ao contexto, são do treinador. De todas as outras está ele ilibado E, como sabemos, não são poucas, não senhor.

Este é o homem que não aposta em Oliver, que prefere sempre Fernando Andrade ou André Pereira a Adrian, que é possuído por NES quando olha para Brahimi, que opta por jogar, no campeonato nacional!, com Militão à direita, que baseia o seu jogo no duelo e na segunda bola. Sim, porque não podemos dizer que queiramos ser uma equipa basto criativa e que protege o Felipe dos seus escorreganços. E é isto que torna Marega imprescindível.

Se repararem, tudo o que mencionei só é uma crítica do MEU ponto de vista. Porque olhando ao que são as características de SC, faz todo o sentido. Quero com isto dizer que são escolhas coerentes e que entendo perfeitamente. E sim, são as mesmas que nos deram um campeonato que tínhamos absolutamente que ganhar. De todo o modo, não gosto delas. Por isso, a azia de agora ter perdido transforma-se em fúria. Mas vá, tenho noção disso, ao contrário dos que defendem o oposto e raramente, quase nunca, conseguem falar de bola. Só de espírito e raça e intensidade e quais são dos nossos e quais são contra nós. que é todos os que se atreverem a discordar, naturalmente.

E lá voltamos à Ordem dos Jesuítas. Eu sei bem o que disse quando JJ esteve perto de ganhar tudo e tudo perdeu. Lembro-me bem do que ouvi a minha gente berrar aos ventos: Aqui? Nunca seria possível! Rua, na hora.

Pois bem, aconteceu. Foda-se! Até o discurso do “excelente época, estivemos nas decisões todas, isso é que é!”, até isso - só mais tarde corrigido - aconteceu. Não sei se por se recordarem do que JJ ganhou depois disso, se por - e é mais provável - este ser dos nossos, lágrimas na derrota incluídas, o veredicto agora parece ser muito diferente. Conviria talvez recordar COMO JJ ganhou depois de ter perdido. Aliás, como o próprio ameaçou fazer a determinado bandeirinha, quando defendia outras cores. Amigos, esse tipo de reforço não teremos. Continuaremos a chafurdar na lam...na merda! de competição e de país que temos.

Ou será que alguém pode duvidar que, fosse Sérgio Conceição treinador do 5LB - ou venha algum dia a ser - já seria - ou virá a ser - um herói nacional? Elevado a mito, ao nível do melhor Mourinho? Que digo? De um Cristiano Ronaldo! Sendo nosso, e dos nossos, é tratado como um grunho. Que está longe, mas tão longe, de ser.

Por outro lado, não enfrentaremos um período de continuidade e estabilidade. Teremos que refazer a equipa e, com ela, o projeto. Se havia e vier a haver algum. Estaríamos pois em tempo de tomar decisões estruturais acerca do tipo de líder que queremos. Estaríamos! Porque não estamos, uma vez que a decisão foi tomada antes do jogo no Dragão contra o toupeiral corrupto. Está decidido, está decidido, mais à frente falaremos do que, para mim, isso deve implicar.

Não, não fugi com o rabo à seringa neste suposto julgamento pelo fogo: eu terminaria aqui o ciclo. Fim. Obrigado. Next please.

...

domingo, 26 de maio de 2019

Balanço 18/19 - I: Flashback e Contexto



Direto. Diríamos grosso, porque sabemos que curto não será quase de certeza. Mas, tirando estes, sem floreados e metáforas e segundos sentidos. A Tasca agora é exclusivamente o que me apetece, quando me apetece e para o que me apetece. Desta vez é bola. Pura. Acabou a época e eu estou a ponto de sufocar se não disser umas coisinhas. Bem, umas quantas. Bastantes. Tantas que não me chegará a jornada de A Culpa é do Cavani que, certamente, tratará destes balanços. Por outro lado, tenho saudades de partilhar estas conversas com malta que, eventualmente, nem sequer ouve o podcast. Prontos? Na verdade, quero lá saber se estão. Eu estou! É quanto basta.

Por hoje, ficam as duas primeiras partes: Flashback e Contexto. Ficarão a faltar outras duas: Trial by fire e Futuro.


...

FLASHBACK

Saberão, e se não sabem fica já dito, que não sou propriamente uma groupie do nosso treinador. Aliás, não o teria escolhido sequer. Até porque nunca percebi porque o deixámos cair num dezembro, para depois o trazer num agosto. Será uma questão de mês? Ou depende da graça de quem trás pela mão os negócios que fazemos? Pois que não sei, nem agora interessa nada. Como sempre.

Dito isto, estive à vontadinha para me deixar estar fora do band wagon que logo se montou. Aquela coisa do "ai pobrezinho que não tem jogadores, é uma cambada de pedreiros e de enjeitados da vida, como pode ele arranjar rosas se nem um papo seco lhe dão?", you know the drill. Defendi na altura, e defendo hoje, que, limitados que estávamos, mantínhamos argumentos para competir e ganhar. Como bem o provou Sérgio Conceição, ganhando um dos mais importantes campeonatos da história do Futebol Clube do Porto, impedindo o desígnio nacional de oferecer um penta de títulos, sujos e falsos, ao clube do regime. Tivemos pena, só que não. 

Sendo uma vitória de todos, foi sobretudo do treinador. Havia um esforço de denúncia feito pela comunicação do clube que abalou o gorduroso e fétido status quo, deixando, momentaneamente, o viscoso polvo sem saber como reagir, de gordo e pastelão que estava. Mas nada teria produzido qualquer efeito se não trouxesse consigo o Mar Azul. E no futebol, não há mar que resista à derrota e à resignação. Imaginem a época passada com NES. 

Por isso, Sérgio Conceição foi o grande obreiro daquela conquista. Não porque tivesse conseguido produzir qualquer milagre futeboleiro, mas porque conseguiu trazer de volta o espírito do Dragão - e poucos conseguiriam - e, ainda mais importante, somou vitórias, esse combustível infalível para a nossa chama. Pelo que leram acima, sabem que não posso ser mais honesto do que isto. Tendo perdido, teria a mesma responsabilidade de qualquer treinador do FCP que perde. Tendo ganho, é apenas justo reconhecer o papel que desempenhou nessa vitória: o principal!

Do lado da bola propriamente dita, nenhuma surpresa: fraquinho. Como todos, fui no Mar, dentes cerrados. Mas de olhos abertos. Não jogámos grande merda a maior parte do tempo. Mas hey, ganhámos! Vinha lá uma época toda nova, para crescer, equipa e treinador, e voltarmos a ganhar e, agora sim, começarmos a encantar. Está feito o flashback, vamos lá ao que importa.

...

CONTEXTO


Já todos lemos, ontem, a última página deste livro, portanto permitam-me apenas que, para não nos perdermos, contextualize esse epílogo:

Em dezembro eu sentia-me Campeão Nacional. Bem me disseram pessoas ponderadas que era demasiado cedo. Malta dos números recordou-me o avanço desperdiçado no ano anterior. Mas eu sentia-me campeão na mesma, porque o espírito tinha voltado e, ainda que por motivos de força maior e, sobretudo, alheios à vontade do nosso treinador, o futebol ameaçava melhorar. E tínhamos seis pontos de avanço para o segundo à 16ª jornada. Sim, seis. Para o Braga! Sete para os lampiões, que vinham em terceiro, oito para o Leça, digo, os lagartos. Com quem, aliás, jogámos a última jornada da primeira volta, em Alvalade, e logo aí deixaram claro que, por eles, empatar todos os jogos contra o FCP estava muito bem. Virámos o campeonato com 5 pontos de avanço sobre o polvo. Juro-vos, ingénuo, achei que lhe íamos dar a porrada fatal.

Olhemos agora para os adversários. Em consequência do que era a demonstração de superioridade do FCP, o Padrinho entregou o campeonato. Fez uma retirada estratégica, despedindo o sonso Vitória para agradar às massas, arrumando o orçamento ao despachar as grandes estrelas que havia contratado na pré-temporada e nomeando um treinador interino que foi buscar à equipa B. Que me tentem convencer que tudo isto era para ainda serem campeões é lá com quem come gelado com a testa, eu não. Tenho claro que o Padrinho se preparava para passar meia época a preparar o ano seguinte. As palavras do novo sonso são prova bastante: não me pediram nada. E também não lhe deram nada. Ele que se arranjasse com os putos da B. Isso que agora chamam de "aposta na formação", "os meninos de ouro do Seixal", há menos de meia dúzia de meses era a direção a desistir do campeonato. Eles sabem que sim, eu li-os nas redes sociais e ouvi-os nos cafés.

Do Sporting da Covilhã todos sabemos tudo à saciedade. Até porque eles próprios - diz que pela mão do atual Croquete Mor até - fazem questão de passar para fora o que se passa no balneário. Sejam massagens com as mãos, abertas ou fechadas em punho, sejam festinhas com fivelas de cinto, enfim, o costume. Sem plano, sem treinador, sem equipa, lá se fizeram à estrada. São estas duas as equipas que em 2018/19 tiveram troféus para comemorar em Portugal. Nós não!

Em janeiro, o treinador pediu e recebeu um avançado versátil, um médio defensivo e um lateral direito. Do nada, chegou ainda um multi-titulado defesa central que, para mim, é o segundo melhor do plantel. O que se decidiu fazer com esta gente, não é responsabilidade de mais ninguém senão do próprio Sérgio Conceição. Acredito que preferisse Mbappé, Canté e Meunier, só para ficarmos em malta que fala francês, mas isso não pode ser razão para desperdiçar avanço para adversários no estado anteriormente descrito.

Achar que isto pode acontecer exclusivamente pelo ressurgimento em força do polvo vermelho, é contribuir para perpetuar este estado de coisas. É falso! Assim como a nossa força em campo o abalou, foi a nossa incompetência na relva que acabou por torná-lo relevante novamente. Não que isso justifique a batota. Nunca! Sermos fracos não implica que nos roubem para que outros, ainda piores, possam fazer de conta que ganham. Digamos que numa terra com justiça teríamos vencido apesar de nós mesmos. O que não nos tornaria melhores.

Nada apaga a pouca vergonha a que assistimos em Braga, em Moreira, em Vila do Conde, em Freixo de Espada à Cinta se fosse preciso. Como nada apaga o facto de termos perdido tudo para as equipas descritas acima. Porque aconteceu? Porque ao roubo instituído como normalidade numa Nação completamente falhada - que somos! - juntámos o nosso futebol: fraquinho. Perfect storm.

Quem decide do nosso futebol? Sérgio Conceição. Tendo perdido desta forma, é apenas justo reconhecer o papel que desempenhou nessa derrota: o principal.

Já fora do campo se adivinhavam sinais preocupantes. A Comunicação perdeu gás e quase pareceu uma caricatura de si própria, mesmo quando não esteve mais preocupada com interesses pessoais, porque de pessoas, do que com os do clube, numa espécie de roda-livre em auto-gestão. A verdade é que não há porque acreditar que antes houvera uma estratégia do clube, ao mais alto nível, depois colocada em prática por segundas linhas executivas brilhantes. Tudo teve sempre o ar de carolice e abnegação e fervor clubista. Como que por acaso. 

Portanto, é natural que em alguma altura se esgote.  E esgotou. Esgotou tanto que nos demos ao luxo de "calar" o treinador durante boa parte da época, no que toca às arbitragens. Aquele que, cavalgando a clara injustiça com que temos que nos confrontar semana após semana, trouxera de volta o espírito do Dragão, via-se desautorizado, em direto, por um qualquer invertebrado com tempo de antena. Por alma de quem o tem, não sei, mas gostava. Até porque depois tenho que aturar as redes sociais que acham que A Culpa é do Cavani não deve transmitir aqui ou acolá, porque são vermelhos ou encarnados ou rubi. Já esta contribuição, sei lá até que ponto decisiva, do canal do clube para a bela merda que foi esta época, epá, lá acontece, merdas que já se sabe, é correr com o gajo, siga. Siga tudo na mesma, portanto...

...

  

terça-feira, 14 de maio de 2019

Casa Velha

(Inevitável e espesso, o silêncio vai escorrendo por entre as horas, as tarefas - reais ou inventadas - as ausências e tudo o mais que teimas em acumular para que se te encham os dias. Como magma incandescente, destrói as barreiras que laboriosamente ergueste. Um rio calmo, mas inexorável, serpenteando pelo vale, encontrando caminhos pelo meio das rochas, correndo tranquilo, sabedor de que será mar.

Ei-lo, como sabias que estaria, esteve sempre, estará, virá, tarde ou cedo: o silêncio perante ti. O que resta.)

...

A ver se consigo explicar:

É como um velho paço senhorial que se esboroa. Baço dos anos, ganhando o contorno da paisagem, do mato que o vai lentamente engolindo, camuflado pelo verdete nas paredes de pedras grandes. O torreão Sul já sem teto que se note, deixando entrar toda a luz do Universo, para que inunde as clarabóias e os ninhos de andorinha em pleno salão nobre.

Valham os pássaros e bichos rasteiros que se esgueiram entre cacos de mobília, agitando os fetos que comeram as tapeçarias antigas, para quebrarem o silêncio. A Vida persiste em formas outras, mesmo que as dobradiças de aço que resistem nas ombreiras chorem de saudades nossas.

Há crianças que passam as tardes do início do Verão a correr pelas colinas suaves, enchendo a charneca de gritos alegres e embarcando em expedições pelo corpo principal do edifício. Ali, onde ainda há quadros pendurados e fotografias que se rebelam contra a humidade; quartos onde ainda se sussurra a nossa história, ora alegre, ora um pranto, um minuto festa, outro tragédia, uma gargalhada só.

Do que pudemos deixar descobrem quem querem que tenhamos sido. Luzes no céu, Santos, dores reminiscentes que não podem explicar, água nos olhos dos adultos, lembranças vagas de fumo e produtos adicionais. E silêncio. O espesso silêncio que a simples repetição dos nossos nomes faz descer sobre a parte conhecida do Cosmos.

Designados proprietários da enorme chave de ferro que continua abrindo a porta desta aventura, sabem exatamente onde encontrar os esparsos sinais de vida na Casa Velha.

Ao fim do dia, correndo livres por onde é provável que tenha sido o jardim de rosas brancas, regressam à Casa Nova. Paredes meias, o mesmo território, um planeta diferente. E contam em algazarra as descobertas - um penico debaixo da cama, no quarto colado à parede Norte, aquele que ainda tem uma cómoda - puxam pela memória dos pais, detetam-lhes as incongruências e respeitam os silêncios magoados. Sempre ele, escorrendo como magma.

Aprendem-nos.

...

A ver se consigo explicar:

Um velho de tez por algum motivo tisnada, seco, de rugas fundas, segura com as duas mãos o chapéu preto à frente do umbigo. Um fato de três peças negro, a camisa branca, cabelo nenhum, muito direito contra a luz que se despede de uma casa velha, a cair lentamente em grandes pedaços.

Uma revoada de putos dispara de dentro do edifício na sua direção. Diríamos um enxame de abelhas a rodear um girassol único, grande e cansado. Levam-no pela mão, falando todos ao mesmo tempo, cada um como se tivesse uma etiqueta que lhe marca a proveniência, um traço distintivo, de fábrica, que na maior parte das vezes evita que lhes pergunte: e tu, de quem és? Ouve-se ao longe, enquanto o chapéu já vai de cabeça em cabeça: sim, um penico!

Deixam-no numa poltrona e, ainda que já cá não estejamos para ver quando acontecer, virá uma velha de vestido florido sentar-se ao seu colo. Soltarão ambos um gemido de articulações gastas e joelhos abusados e os outros estarão ocupados a temperar o resto das carnes, enquanto os miúdos lavam as mãos. Partilharão um breve momento de silêncio. A Casa Velha deixará cair uma telha. Nada a dizer.

...

A ver se consigo explicar:

Olá, sou eu. Como estamos hoje, meus Amores?

...


terça-feira, 30 de abril de 2019

Panquecas, sempre!



Tenham em conta que eu sou um fulano que passa imenso tempo em comboios, em trânsito daqui para lá e volta. Nem sempre me dá para trabalhar, nem sempre me dá para dormir. E o tempo tem que se desfiar, certo?

***********************************************

Reunidos, fumando. É possível que haja uma ou outra cerveja, das médias, mas desta perspetiva não podemos ter a certeza e ainda faltam uns tempos para haver VAR.


- Vamos rebentar isto tudo pá. É o que vos digo, isto só lá vai à bomba pá.
- Tem calma Óscar, estamos só a organizar uma manif. Se os tipos dos camiões de gasoil podem, nós também podemos. E então pessoal, Terreiro do Paço ou Palhavã?
- A mim dava-me mais jeito Palhavã que ia de metro. Haviam de fazer metro até à Praça do Comércio.
- Sim, sim, pois claro, até Santa Apolónia, já agora. - Gargalhada geral.
- Ao Aeroporto! - Mais risada.
- No Porto! No Porto é que haviam de fazer metro! - Gente agarrada à barriga.
- Oh, tábem, estava só a dizer, chatos do caralho.
- Leva-se umas Berlier e cabe a malta toda, não?
- Eu cá levo os petardos pá.
- Os panados, Óscar, os panados! Ainda nos vai arranjar problemas com a bófia, este.
- Está bem pá, majentão vamobora que já me está a dar o nervoso miudinho pá.
- É só amanhã, Óscar. Sossega o facho. Não te esqueças que é uma cena pacífica, contra a guerra e a opressão e essas coisas beras todas, ouviste bem? - Desconfiado.
- Quem é facho pá? Detono-te essas trombas que nem a tua mãezinha te reconhece pá! - Depois, entre dentes. - Panascas pá.
- Hã?
- Panados pá. Vou buscar os panados, era isso.
- Ooooordeeer! 

(Eu sou um mero narrador de mim mesmo, não tenho como explicar o facto de o tipo das gravatas garridas do Parlamento Inglês estar metido no 25 de abril. Aliás, cá está um dado histórico que escapou, até hoje, a quase toda a gente. Menos ao Marques Mendes, está claro. Esse de certeza que sabia ou, pelo menos, desconfiava. Pá.)

- Ora foda-se pá, se vamos ficar aqui a fazer sala, ao menos liguem o rádio pá. - Fazem-lhe a vontade.
- Eish, outra vez o Paulo de Carvalho! Já não há pachorra para o Paulo de Carvalho.
- Havíamos de ir lá e rebentar a Emissora Nacional pá.
- Lá estás tu com isso de... quer dizer, ao menos já se calava o Paulo de Carvalho...
- Estou-te a dizer pá.
- Safoda, eu alinho com o Óscar nisto da Emissora!
- Epá, então e nós ficamos aqui a ganhar mofo? Se é pra isso, também vamos andando. - Levantam-se todos menos um.
- Eu cá não quero ir já. Há panquecas ao pequeno-almoço, arranjam sempre merdas para fazer no dia das panquecas. Gosto das putas das panquecas, carago. Depois chegamos muntacedo e ficamos lá na manif montes de tempo sem fazer nada. Ainda por cima, toca-me sempre aturar as catraias do Mortágua. Haja paciência!
- Alguém tem que tomar conta das crianças, não te parece?
- Podiam deixá-las em casa, sei lá...
- Tás paneleiro do raciocínio? É uma manif, oh atrasado. Como queres que as pessoas saibam que é uma manif se não aparecer nenhuma mana Mortágua? Pensa, estúpido.
- Então sigo com o Maia, é?
- Sim, ide lá. Não te esqueças das fraldas e dos Dodots.

(Esta menção anacrónica não teve o patrocínio da marca citada, o que é uma manifesta infelicidade para este que vos escreve. Atentamente.)

...

- Oh Maia, olha lá, juntou-se aqui mais gente que povo, chiça. Isto não é a mesma malta que esteve aqui há uns dias a aplaudir o Caetano em Alvalade?
- É capaz. Eu não ligo à bola.
- São pois. A propósito do que o Caetano é que dava jeito que aparecesse na manif. Era sucesso garantido. Já se sabe que onde está um Marcelo, está a CMTV e depois vêm os outros todos ao cheiro da Laranjo.
- Não é mal visto, não senhor. Liga aí ao gajo.
- Ai liga! No meio desta multidão, só chego à cabine telefónica de chaimite. Para além de que tenho que ir mudar a fralda à Mortágua. Arranja-te Maia, eu estou cá só de baby-sitter, bebé.
- Oh Coiso, vê lá se apanhas alguém que esteja ao pé do Carmo pelo rádio. Diz para chamarem cá o Caetano. - Acende um cigarro e contempla a fragata que desliza no Tejo. É uma bela embarcação, não haja dúvida. Haviam de fazer daquilo um cacilheiro. Todo ele envolto em crochet. Era coisa para ficar engraçada. Estilhaçam-lhe a criatividade com um berro.
- Oh Maia, ele manda dizer que não está lá. - Encolhe os ombros como um emoji.
- Opá, preguiçoso do caraças! Não levanta aquele cu nem por nada. Qualquer dia também se esbardalha do assento e depois quero ver. Vou lá buscá-lo a ver se isto anima. Puta de manif mais chata. Se sabia tinha deixado o Óscar trazer petardos.
- Por acaso já ia, oh meu Capitão.
- Hã?
- O panadinho. Será que alguém se lembrou de trazer médias?

...

- É como lhe digo, caro Maia, fartinhos de tocar à campainha e nada. Ninguém responde. 
- Estará avariado o video-porteiro, talvez. Oh Coiso, chega-me aí o megafone...

***********************************************

- Não pode ser! São os piços das Caldas outra vez? Estou? Estou? - Bate no telefone negro, de disco. Sim, existiu disso. - Está lá?
- Problemas, senhor Presidente do Conselho?
- Sei lá. Pelo sim, pelo não, vamos para o Carmo.
- Eish, isso é que não me dá jeito nenhum. Tenho que estar de madrugada em Santa Apolónia, para apanhar o comboio correio para Santarém. Ir agora para o Carmo...
- Quer cá saber do comboio, homem. - A exasperar.
- Ainda se houvesse metro até Santa Apolónia, podia ser que... - O outro desata a rir.
- E até ao aeroporto? Não lhe dava jeito o metro, não? - Ri alto. - Ora deixe-se de lérias e chame um carro. Avançamos para o Carmo que parece que há movimentos estranhos na Praça do Comércio.
- Alguma manif que desceu da Avenida da Liberdade, talvez?
- Não pode ser. É a tropa.
- E a tropa não se pode manifestar, senhor Presidente do Conselho? Se calhar está a tropa farta da guerra.
- Pois claro, oh Coiso, e depois vem a Polícia e faz greve ou assim. Olha, invadem os degraus da Assembleia, por exemplo. Deixe-se de parvoíces e providencie o automóvel que lhe pedi! - Já muito vermelho.
- Já vai, senhor Presidente do Conselho, já vai. Por acaso, ainda outro dia estava a pensar. Isto bem esgalhado era a gente pegar no telefone, marcar um número e pumbas, os tipos no automóvel saberem logo a nossa morada e aparecerem-nos aí à porta. Não era catita, senhor Presidente do Conselho?
- Não, Coiso, não era catita. É estúpido, só isso. Havias de ter ido para Parodiante de Lisboa, tu.

...

- Batem à porta, senhor Presidente do Conselho.
- Não abras, Coiso! - Pálido.
- Oh, tanto me faz, já não chego a horas a Santarém e não. Tenho o dia todo para fingir que não está cá ninguém. Gostava era de perceber porquê.
- Não sei Coiso, parece que foram rebentar a Emissora Nacional. Diz que foi o Paulo de Carvalho. É um ataque coordenado às rádios. O comuna do Zeca atacou a Renascença. - Benze-se.
- Ui, agora é que nem à hora de jantar lá estou. Olhe, parece que é o Maia que está lá fora a chamá-lo.
- É a revolução! - Procura esconderijo, feito barata tonta.
- Ora, que exagero senhor Presidente do Conselho. Vai-se a ver é para irem ao Martinho tomar um xiripiti. Olhe, lá está outra: metro no Terreiro do Paço. Hein? Diga lá que não dava jeito.
- Fartinho dessa história do metro, chiça, penico, cocó. - Aos pulos como uma criança mal educada.
- Não pragueje, senhor Presidente, olhe a sua tensão.
- Você tira-me de mim, Coiso! Sempre com a trampa dos transportes. Táxis por radiotelefonia, metro aqui e ali e no caralho mais velho. E depois essa fixação em apanhar o comboio para Santarém! Tenho os nervos num frangalho. - Deixa-se cair numa poltrona. Derrotado.
- Ofende-me,  senhor Presidente do Conselho. Procuro servi-lo da melhor forma, cumprindo com os meus deveres com todo o brio. Está claro que, de momento, deveria estar descansado em Santarém. Apesar disso, aqui estou, firme no meu posto, a ouvir estes disparates de uma suposta Revolução. - De beicinho a tremer.
- Mas afinal, porque é que você está tão interessado em Santarém? - Já sem esperança.
- Panquecas, senhor Presidente do Conselho. - Diz e bate as palmas. - Hoje é dia de panquecas. Todos os 25 há panquecas. Bem boas, as panquecas do quartel de Santarém. 
- Oh foda-se, desisto! Vá lá fora e informe o Maia que entrego o poder. Quero ir para a Carregueira imediatamente.

...

- Hã? Mas qual poder?
- Pois é como lhe conto, estimado Maia. O senhor Presidente do Conselho manda dizer que lhe entrega o poder e pede encarecidamente que o leve daqui. - Olha, outra vez o emoji dos ombros.
- Oh jovem, eu lá tenho tempo para essas brincadeiras? Tenho que voltar prá manif. Não tarda, está lá o Mortágua para levantar as petizas e se eu não estou desata logo a abusar e ainda gama alguma Berlier. Parecendo que não, as Berlier não crescem nas árvores.
- Pois, não sei que lhe faça.
- Só se pedir ao Spinola que passe cá e receba a encomenda.
- O poder.
- Ou isso, tanto se me dá. - Vira as costas, avança um passo. Detém-se, volta atrás. - Oh Coiso, eu não o conheço de algum lado?
- Sim, Capitão. Já nos cruzámos em Santarém. - Com um largo sorriso.
- Ah, costuma lá parar, é?
- Todos os 25, meu capitão.
- Panquecas hein? Seu lambareiro. - Sorriem cúmplices.

***********************************************

Viva este pouco que ainda nos vai restando: Liberdade!
Peço imensa desculpa. Grato pelo vosso tempo. Eu saio sozinho, obrigado.