terça-feira, 18 de outubro de 2016

Resumo de muito tempo: Alterne



A Vida é, de facto, uma montanha. Andamos que tempos a arfar na subida, desdizendo a sorte, a inclinação e a nossa fraca capacidade pulmonar. E sobe que sobe, como se a Vida fosse a Calçada de Carriche. Com sorte, suor, lágrimas e algum sangue - espera-se que pouco dos três últimos, por causa dos cheiros, das dores e do nível de hemoglobina - lá chegamos a um suposto topo. Vai-se a ver, nem damos por ele, talhados que estamos para subir e subir, lufa, lufa, marche, marche, anda para cima que vem gente atrás. De ti.

Sabemos que lá estivemos quando damos por nós a travar a fundo. Ôôôôaaaa, mansinho, doucement. Vamos com calminha que não há pressa nenhuma em chegar lá abaixo. Da cova que nos guardaram. Se alguém, por gentileza, nos guarda alguma coisa.

A maravilha da descida é que, finalmente, nos damos conta do panorama. Xinapá, a quantidade de coisas que havia aqui à roda. E eu sempre a subir, licra aberta, boné ao lado, aguadeiro - se o mereces - apostos, um selim a magoar o rabo, para que não descanses, sobe que sobe, lufa, lufa, marche, marche, pé na tábua, sapatilha no pedal, cuidado com a cremalheira.

Isto tudo, porque acabo de concluir que a minha formação na área do usufruto da prostituição é inexistente. Das duas uma: Ou ainda vou a subir e não tenho tempo para essas minudências; ou já estou a descer e começo a pensar como um velhote babado. 

Either way, não faz diferença. Se não foi pela hormona da juventude, não será pelo espermatozóide sobrevivente da velhice que vou - ainda que numa abordagem de interesse meramente sociológico, pois claro - conhecer os prazeres e desprazeres deste tipo de diversão. Estou apostado em guardar toda a energia e, por maioria de razão, qualquer espermatozóide, para tornar numa farra determinada descida pela encosta da Vida. Uma que partilho.

Isso é bom, porque posso, para além de evitar uma gonorreia ou assim, manter os meus conceitos, não testados empiricamente, sobre estas badalhoquices. Digamos que do ponto de vista da Prostituição com Base na Evidência, meto dó. Em contrapartida, há todo um Universo que posso construir sem risco de me desiludir.

Por exemplo, tenho para mim que há uma diferença clara entre uma Casa de Alterne e um Bordel. Não, não é apenas isso. Enquanto o Bordel remete para gajas boas, de pele macia, e cetim e lantejoulas e rendas e lingerie - uma ou outra coulotte no faroeste da meninice; a Casa de Alterne soa-me a respeitáveis banhas, comprimidas em espartilhos e cintas, meias rotas, sapatos descascados e patchouli a disfarçar o cheiro a refogado nos dedos, ao som do Chris de Burgh e do Lionel Richie. Há todo um glamour que se perde quando se pronuncia a palavra alterne. Eu cá, se fosse profissional do setor, queria antes ser puta do que alternadeira. É isto.

...

Há histórias de Vida que me confirmam aquela impressão. Por exemplo, o nosso Toninho Guterres subiu a sua montanha. Quem se lembra de o ver a rodopiar indiferente na pista mal enjorcada de um Bar de Alterne manhoso, no meio de um pântano, e agora olha para ele, todo griffe e agenda cheia de nomes famosos, percebe que fez o seu caminho.

Eu nunca duvidei que lá chegaria, elevando o nome da Nação (e isto é sem ironia, mesmo!). Para começar (modo ironia on), nenhum outro candidato, nem candidata, tinha um argumento tão forte como "opáááá, vocês sabem lá purondeujándei co'a Angelina. Ui, ui". Por outro lado, o seu ar clerical vai bastante bem com a função de servir cafés nas reuniões do Conselho de Segurança: Discreto, eficaz, perseverante, atencioso, sorridente qb. Um ou dois torrões no seu coffee, tovarich?

Acho que vai correr tudo bastante bem. Para além de organizar umas jantaradas para aquela malta e fazer declarações de circunstância quando há uma catástrofe - e nos dias que correm, se ganhar por intervenção, o homem está governado - a missão principal do Toino é tomar conta dos meninos, enquanto os EUA e a Rússia tratam de coisas de gente crescida. Diz que não precisa de fazer muitas contas.

Um gajo pensa: Foda-se, quem diria, hein? Ele é Presidentes da Comissão Europeia, Secretários Gerais da ONU. Estamos a recuperar o nosso lugar no Mundo ókê? Logo a seguir, percebo que ókê. O melhor que temos é mesmo uma quantidade de Bolas de Ouro e sermos Campeões da Europa de Futebol. Vai-se a ver, sou um labrego que não merece a Pátria que tem...

...

Já o gerente de uma Casa de Alterne tem uma carreira menos promissora. Quando penso nesta personagem, imagino sempre um tipo baixo e magrito, com um fato lilás, camisa amarela, lenço de lapela azul pitroil e sapato bicudo bem envernizado. Com dois berloques. E saltita de um lado para o outro, entre as nódoas dos sofás e da alcatifa pele-de-rato do estabelecimento, a controlar comissões e copos de espumante marado.

Mas num Bordel não. Vem-me logo à cabeça uma matrona, cheia de carnes, é verdade, mas impecável no seu perfume Francês e matadora no olhar, a um tempo experiência e provocação e ousadia. Flutua, quase diáfana, pelos corredores, certificando-se discretamente que as portas estão fechadas - ou abertas, consoante o grau de ocupação dos quartos - e que todos mantêm a classe e a paz. Laboral.

Não se pode ir de um a outro, por muito que se tente. Ainda agora, o gerente de uma afamada Casa de Alterne se vestiu, todo ele em rendas e brocados, tentando fazer-se passar por uma Madame. Resultado: Uma barrigada de riso.

Dono de uma Casa de Alterne, pode vestir-se como quiser e falar tão doce como uma gueixa, no fim do dia, vai cuspir para o chão.

...

Andar à volta das prostitutas - salvo seja! - põe-me sempre a pensar em taxistas. Não pá, não é por isso! É porque são eles, as mais das vezes, que asseguram a importante tarefa logística de transportar a profissional ao seu local de trabalho. Ou a fazer um domicilio.

Não vou desatar a falar muito da recente polémica envolvendo estes senhores e outros moços, mais bem vestidos. Desde logo, vocês já perceberam qual seria a ligação com o tema guia desta posta; e depois, o Lápis já disse quase tudo.

Permitam-me apenas duas breves notas:

1. Para o senhor Máximo
A mim não mapanhavas tu, com as tuas falinhas mansas. Olha pá, se eu fosse uma menina virgem, preferia mil vezes ser violada por um tipo de fatinho, banho tomado, num estofo macio de pele. Alguém que depois me desejasse um excelente dia, em vez de me dizer que não tem trocos. Na, nem no campo da violação lá vais.

2. Para o senhor da Federação do Táxi
Então pá? 'Xaláberceupercebi! Portantos, concorrência desleal, beca, beca, uma vergonha, beca, beca, buuu, buu. A menos que te limpem metade dos taxistas teus concorrentes. E os ponham nas plantaformas. É isso? A sério? Fica tudo bem? 

Oh meu amigo, tu fazias carreira no alterne, ai fazias , fazias. É que para meretriz, és demasiado puta.

...

Alternando feliz da vida - a TAP é nossa, a EDP é do meu vizinho Lin Chung - o António já leva seis pontos de avanço sobre os tipos que ganharam as últimas eleições. Não admira, vai fermoso e, aparentemente, seguro, acolitado por suas alternadeiras.

Que outra explicação existe para PCP e BE negociarem e aprovarem o Orçamento de Estado que prevê o mais baixo défice de sempre? Cumprindo com as exigências da Comissão Europeia, esses porcos sujos a quem não pagaremos, uma vez que vamos renegociar a divida. Ou afinal não.

Mas é um belo OE, muito erótico até: Entumesce suavemente, mas decidido, o imposto indireto; lubrifica com parcimónia, e contenção, com um aumento da pensão ao senhor de idade; mete a sobretaxa; tira a sobretaxa; mete a sobretaxa; tiiiiira a sobretaxa; ai que não mete mais; mete só mais um bocadinhoooo; ops, vem-se em seco, num crescimento económico anémico. Oh well, esperam que não nos doa muito.

Os políticos, quando nos falam, fazem-me sempre lembrar o Diretor de RH de um Bordel a ler o Job Description às funcionárias: Vão-safoder! Ai vão, vão.

...

Vai longo, não vai? E havia 58 milhões de outros assuntos para abordar. Mas está aqui um senhor fiscal da ASAE psicológica, a ameaçar que me encerra a mente, de tanto lixo que encontrou. É melhor calar-me.

Concluo que o negócio da prostituição tem semelhanças várias com o negócio dos frangos de churrasco e, por conseguinte, das SAD: Se correr muito mal, come-se o stock

...

If you're feeling down, depressed and lonely: I know a place where we can go...  

18 comentários:

  1. Nunca fui ás meninas!
    A sério, nunca me interessei em gastar dinheiro em putedo. Mas que frequentei com alguma abundância bares de alterne, frequentei! Não por culpa minha, mas por causa de um tio meu ex-retornado de Moçambique que com o desgosto afogava as mágoas nas meninas, no úisque com ginger-ale e para disfarçar o adultério perante a mulher, pedia-me para ir com ele nas suas saídas nocturnas, para irmos beber um copo cheio de inocência santissima.
    Não sei se posso dizer o nome do bar de alterne, mas durante uns bons 2 anos o "Lord Jim" da Reboleira, quase em frente ao estádio do Estrela da Amadora, assistiu a grandes porres do meu tio, a garrafas de champanhe tinhoso das meninas, e á minha iniciação no whiskey (úisque é de Sacavém, ó faxabor!) Cardhu e não sei quê Martin, que o meu tio não era de olhar a gastos!

    Por isso uma coisa é certa, jamais em tempo algum digo mal das meninas, dos moçambicanos (mesmo que tivessem nascido cá, brancos e racistas), e da Amadora!!! Foram estes 3 factores que me fizeram ser hoje um grande apreciador das coisas boas da vida!

    Com o tempo e já completamente esquecido disso, uns amigos meus convidaram-me para... ir beber um copo. Fomos ao bar do tio Reinaldo a famosissima "Taberna do Infante". Consegui entrar de sapatilhas (era proibidissimo!) e ainda acabei a noite a dar show... a cançonetista (sim porque nestes sitios, são cançonetistas, não cantores!) espanhola de lingua, transmontana de nascimento, passou-me o microfone para as mãos e foi um ver se te avias. Claro que a audiência, não gostou. Habituados a tangos e comparsitas (é assim que se diz?) levaram com o Knock, knock on Heaven's Door, versão Axl Rose, o Solitude dos Black Sabbath e mais não porque a espanhola receeou perdeu o emprego!

    Portanto que se foda que a TAP seja nossa, a EDP dos chineses. Desde que os aviões voem e tenha luz em minha casa, tudo é curtição, mesmo que haja 58 milhões de preocupações naquilo que a gente também mais gosta!
    A vida é demasiado séria para não ser levada a brincar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paaaaa, conheço um Moçambicano que viveu muito tempo na Amadora e frequentou abundantemente o estádio do Estrela. Mas nunca fui ao Lord Jim :)
      O Mundo é mesmo uma noz, caraças.
      Abraço

      Eliminar
  2. Tou comó Felisberto,
    Nunca fui as kengas... sou forreta com a pasta....
    Alias ate podiam ser kengas mas pagar nunca paguei...😂

    Silva vai-se a ver e ainda és tio do Felisberto... hehehehehehe

    Tou como dizes... enquanto os birds voarem e houver luz em casa....la estaremos no sabado (e semana a semana...) a "sofrer" mais um cadinho....

    Um abraço aos 2... 😉

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Kais sofrer Kaiscarapuça! São cincazero ao Lito que até o foragido de Arouca aparece! :)
      Abraço.

      Eliminar
  3. Shou Chilba... !
    Tenho tornado em rotina a passagem pelo tasco.
    Porque gosto, óbviamente, de ler os "escritos" e as "músicas"...
    Que ás vezes se cruzam nas "entrelinhas"
    E que o Miguel (T III) por vezes ajuda a descodificar.
    Penso eu de que...

    Mas, hoje assalta-me a grande dúvida, resultante da interpretação textual e musical... (nas entrelinhas ou não) ..

    Será que o Silva nos quer por a falar das meninas ?
    E, deixamos outros 58 milhões de assuntos ? envolvidos quiçá nos vícios com aquelas jovens de pele macia, desprotegidas (?) da vida...resgatadas ás terras de Cabral ?
    (..."vices na 22 Acacia Avenue...")

    Mesmo depois de muitos anos a virar frangos, o "churrasqueiro" distrai-se com aquela cliente boazona e (quase) deixa esturrar o negócio...

    São orçamentos, senhor. São orçamentos...

    Um abraço
    FCPorto acima de tudo

    Luis (Coimbra)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora seja muito bem-vindo, xôr Luis, o de Coimbra. E muito obrigado pelas visitas.
      Longe de mim limitar as interpretações. As entrelinhas são sempre a parte mais sexy dos textos. Como os entrefolhos das saias :) Mas nunca esqueça, o segundo sentido está sempre em quem lê. Mesmo sendo provocado. ;)
      Volte sempre. Um abraço Portista.

      Eliminar

    2. @ Luís

      'muito obrigado!' pelo elogio 😇

      abr@ço
      Miguel | Tomo III

      Eliminar
  4. também nunca paguei para ter sexo.

    o único sítio onde entrei - e foi uma primeira e única vez, para nunca mais - foi o (entretanto falecido) "clube champanhe", em Matosinhos. o degredo do putedo era tal, que até se notavam as marcas das queimaduras das pontas de cigarros...

    mas, de putedo, sempre tive o fascínio de conhecer a famigerada Rosette - essa mesma, que é título de um clássico dos Táxi, que eu ouvia a ensaiar na cave dos "estúdios", na Rua N. Sra de Fátima, à Boavista

    ps:
    ó Xebeu, se vens à ImBicta arranja lá um tempinho antes do jogo e passa entre as portas 3 e 4, para duas de letra ;)
    ah! e diz que haverá um repasto no dia 06/11, antes da recepção ao Carnide :)

    abr@ços a "ambos os três"
    Miguel | Tomo III

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haverá repasto e desfile é a banda dos bombeiros e três escolas de samba! Haverá sim senhor! :)

      Eliminar
    2. Mesmo ao lado, mesmo ao ladinho, quem olha de frente á esquerda, da vivenda onde os Taxi ensaiavam e que agora é um Pingo Doce por baixo, ensaiava eu, num cubiculo do 3º andar com mais 3 amigos. Bastas vezes ouviamos os gajos a tocar, e nós, muito, mas muito superiores a eles, tocavamos e cantavamos em english...
      Foi pena nunca termos gravado uma demo, foi pena termos quase desancado o dono do cubiculo por nos ter trocado por uma gaja, e foi pena por o mundo jamais ter tido a oportunidade de ouvir um vocalista não tão fanhoso como o Ozzy, mas tão ou mais desafinado que uma Maria Leal qualquer!
      De qualquer modo eramos tão bons que o resultado está á vista!

      Eliminar
    3. Portantos pá, eram os concorrentes dos Táxi. Ou seja, eram os Uber! :)

      Eliminar
    4. Kkkkkkkk .....eram os Uber!
      Fodassssse....... qual Messi qual carapuça.
      Essa é mesmo no ponto G da pretendida.

      Eliminar
    5. Realmente, se a banda singrasse, decerto seria esse o nome... :)

      Eliminar
    6. Os Uber 😁 genial 😁

      Felisberto, olha que ainda vais a tempo. Conheço um baixista e um baterista que devem estar disponíveis 😉

      abr@ço
      Miguel | Tomo III

      Eliminar
    7. Desde o começo que ando para meter isto e nunca consegui. vamos lá ver se agora já dá!

      https://youtu.be/6EBk3czZXlQ

      Eliminar
    8. Bring'em dirty and beautiful! \m/

      Eliminar
  5. Miguel,

    Eu tou SEMPRE na Imbicta...
    Passo é a vida a laurear o queijo... (mas nao no sentido de coçar os tomates... 😁)

    Tou agora mesmo a sair de M. Malpensa... Aterro ao almoço...

    Amanha la estarei com todo o gosto... 😉

    Abraço a voceses... 😂

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até amanhã, então :)

      abr@ço
      Miguel | Tomo III

      Eliminar