segunda-feira, 15 de abril de 2019

Postais da bola: Portimão (com pausa e abaladiças)



Ah, Portimão, com o seu hipermercado Continente, o seu Pavilhão Multiusos, o cheiro a sardinha debaixo da ponte sobre o Arade.

Por acaso, sempre que penso nesta excelsa localidade, para além de me ficar a apetecer pimentos assados e batata cozida com pele, lembro-me da minha prima Beta, infelizmente detida nos calaboiços de um país obscuro do sudeste asiático. É gente que leva muito a peito isso do tráfico, já se sabe.

Ai a Betinha, uma cachopa roliça, feminista radical. De tal maneira que nunca aquela sovaqueira teve vislumbre de uma lâmina. Nem de água e sabão, já que falamos nisso. Já se vê que depois aquilo ressoa e tende a feder. Muito boa moça, a Beta, desde que a uma distância segura para a narina. O que nunca foi obstáculo ao são convívio familiar, pois que para além do pelo intenso, herdou igualmente da família o timbre peixeiro e o berro pronto.

Olha, por falar em intenso, quem esteve há pouco por Portimão, foi o nosso fêcêpê. E se no Vietname o número era 19 (hey, broda Bertocchini), em Portimão é 3...

                                                                    (Pausa para pequena nota do autor

Pequena Nota do Autor:

Tu que percebeste o cameo ali em cima, fica sabendo que é muito provável que já tenhas vivido mais tempo do que aquele que te falta gozar. Sendo uma mera questão de probabilidades, não esmoreças, porque as probabilidades de vez em quando são uma batata (hey, broda Vassalo). Hmmm, cozida com pele. E pimentos assados. 

Fim da pausa para pequena nota do autor)

                                                                                  3 pontos, 3 golos e 3 nomes.

...

1. MAREGA

Diz que o Moussa não marcava desde que a Betty Grafstein entrou na puberdade, maijómenos no tempo em que os mamutes começaram a ver a vida deles a andar para trás; e que tem menos golos na Liga que o legítimo da anterior tem pelos no olho do cu; e que estava bem era a assentar tijolo ou a porteiro de um estabelecimento de diversão noturna na Praia da Rocha.

Faça-se aqui um pequeno desvio para saudar os industriais da noite portimonense, que muito mal passaram entre janeiro e agosto do ano passado, tendo-lhes valido os bandos de bifas semi-desnudas e a manada de trolhas entusiastas do tunning da margem sul. Uma qualquer, pois claro, que aqui não se discriminam margens. Felizmente chegou a bonança e em setembro as contas já estavam de novo equilibradas e a garrafa do Paulinho repousava destacada nas prateleiras VIP. É o que se chama o tempo das vacas gordas. Alimentam-se muito à base do fast food, as bifas.

Ah, sim, isto era do Marega, perdoai. Eu, às primeiras, concordo com quase tudo aquilo. E quando me dizem, ah e tal, olha ele ao lado dos mitos e disparam Falcão, Lisandro, Jackson, o inteiro, Bibota Gomes (curiosamente, muito raro dizerem Jardel), não tenho remédio senão acenar e perder o olhar nesse horizonte nostálgico. Mas depois, embirro de pensar um pedacinho e... epá, espera lá...

Esses todos, sim senhor, majé para o lugar do Tiquinho, poijé? É que nenhum deles podia fazer o que o Moussa faz. Ora, então majisso de escapar pela lateral, até o Hernâni...só que não. O Moussa não é só rápido. É igualmente um bisonte. No melhor sentido de bisonte, está claro. Uma besta que arrasta a bola - e este é o termo certo - e o jogo para onde embicar. Aos solavancos, aos tropeções, como se estivesse a lavrar um hectare de milho. Em dois anos de mister Conceição, já vi muita gente tentar, ainda não vi ninguém conseguir. É eu e o treinador. Não há outro que possa servir, ao mesmo tempo, de saída para uma fraca construção, de alternativa a uma pobre ideia de jogo, de poço de energia para que os outros respirem e de esperança para toda a nação azul e branca que, do nada, apareça um golo. Que ainda por cima os marque, poucos para uns, muitos para outros, é um bónus. Se for com a souplesse  de Portimão, bem, aí já é a gozar com as nossas trombas, malta que gosta é de gente que trata bem a bolinha. O Moussa é o Khal Drogo, a bola é a sua cadela. Umas lamparinas e de quatro, ohfaxabôr! E de repente, dá-lhe para ser fofinho.

Que me digam, oh Silva, mas eu cá aborrece-me essa espécie de piparote na bola. Eu cá gosto é de futebol, é outra coisa. Primeiro, estão errados, porque futebol é isto tudo. Depois, estão certos, porque eu também gosto é de outra coisa. Mas disso, meus lindos meninos, não tem o Moussa culpa nenhuma! Só mesmo a de, contra vocês e eu, conseguir, muitas vezes só por si, fazê-la resultar. 

No fim do dia, estaremos bêbados nos Aliados a comemorar, graças também ao Moussa. Ou confortavelmente alapados nas nossas redes sociais favoritas, a desancar o Marega como se não houvesse amanhã. Ide majé trabalhar, seus lanzeiros!

2. PEPE

A verdade é que estava tudo a correr bem e chegou o Pepe. Pumbas, 7 pontos de avanço cucaralho! Havemos é de convir que não será culpa do Pepe. Aparece  aqui porque me apetece dizer que é o nosso segundo melhor central e que, para mim, ainda bem que cá estará para o ano. Uma vez que o melhor já lá vai. O Pepe é assim a modos que o grão-vizir Iznogoud. Vai ser Califa no lugar do Califa. É melhor que o terceiro melhor em tudo e ainda consegue escorregar menos. Viva o Pepe.

3. BRUNO COSTA

O tipo a quem a aparente afirmação definitiva do puto Bruno mais jeito dá, é o... Sérgio. O que é estranho, porque é o homem que poderia ter proporcionado isto muito antes. Ele lá saberá porque é que agora é que é o tempo. Mas que lhe dá jeito, isso dá. É que o Costa é dos nossos, nado e criado, e a malta tem sempre dificuldade em dizer que espanhóis pequenitos deviam fazer as vezes de tugas igualmente pequenitos.

Que o Bruno é jogador da bola, disso também não tenho dúvidas. No entanto, espero que o treinador não caia no contrassenso de lhe pedir coisas parecidas às que faz Oliver. É que não são, nem lá perto, o mesmo jogador. Não é uma questão de melhor ou pior - sobre isso tenho a minha opinião e ela não é para aqui chamada - é uma questão de diferença. O Costa é como que o André André, mas em bom. E chuta, ainda por cima. 

...

Duas abaladiças:

Primeiro, devo clarificar a Conferência de Imprensa de antevisão deste jogo, por parte do nosso treinador. O que ele disse é que esta época ainda tem tudo para ser uma época à Porto. Certo? De certeza que sim. Ganhámos a Supertaça, perdemos nos malditos penalties a Taça da Liga, ainda vamos ser Campeões, levantar o caneco em Oeiras e, com tino e um pedaço de sorte, vai-se a ver e vamos a Madrid buscar a orelhuda. Upa, estaríamos ao nível do Mítico. Podemos! (inserir emoji de braço musculoso)

Acredito que foi esta a intenção, porque ganhar a Supertaça ao Aves, perder a Taça da Liga, ficar em segundo no Campeonato, lerpar no Jamor e nos quartos da Champions, não poderia ser considerada uma época à Porto. Raios, agora lembrei-me do Peseiro, vá lá eu saber porquê...

Finalmentes, quarta-feira, no Dragão, às costas do Marega. É claro que é possível, embora não propriamente provável ;) 

...





Sem comentários:

Publicar um comentário