sexta-feira, 7 de junho de 2019

Balanço 18/19 - III: Future World



Nas últimas eleições defendi, acertadamente, como é evidente, que Pinto da Costa se deveria recandidatar e, está claro, ganhar. Porque me fazia, e ainda faz, sentido que tivesse um mandato que lhe permitisse arrumar a casa, sair do jugo da troyka uefeira e retomar o ritmo de vitória. O que, per si, significaria combater com sucesso a lama pestilenta em que chafurda toda a nação. 

Defendi igualmente, com o mesmo acerto, que estas tarefas configurariam a grande missão do mandato: preparar o futuro. Já se vê que olhava para ele como sendo o último.

Hoje... penso da exata mesma forma, ainda que pouco do que advoguei se tenha cumprido. A casa está pouco mais ou menos na mesma, mudando uns nomes aqui e ali; a uma vitória não se seguiram outras; e o Presidente não parece ter preparado o caminho da sua sucessão. Da questão financeira, creio, apesar da minha confessada inépcia para a função contabilistica, que vamos saindo, Não sendo fácil, é o mínimo que se exige aos que aqui nos trouxeram.

É evidente que Pinto da Costa será o eterno presidente do FCP, mas isso não teria forçosamente que se cumprir de forma executiva. Mas vai. Kind of...

Isto para dizer que não se me afigura provável que haja um plano. Há coisas que acontecem, oportunidades e ameaças a que vamos reagindo, umas vezes melhor, outras nem tanto, sem que se vislumbre um propósito estratégico ou a proatividade enérgica que nos leve a criar o nosso próprio futuro. Vamos cá estando, reagindo e adaptando, sendo pouco parte da mudança, mesmo que, e muito bem, nunca tenhamos abdicado da importância que temos e reclamamos. Queiram os octópodes desta vida ou não.

...

Se vamos falar de bola, a situação é rigorosamente a mesma. Eu acho que devia haver um plano. Eu creio que não há plano nenhum. Há uma vontade, isso é indiscutível, haverá esforço e trabalho, certamente, mas navega-se à vista, enquanto a máquina vai funcionando. If you know what i mean.

Por mim, teríamos um modelo, uma espécie de Guia de Acolhimento transversal a todo o futebol do clube, que explicasse o que se pretende que seja um futebolista do FCP, quais as características que o devem distinguir dentro e fora do campo, quais as ferramentas que o clube lhe proporciona para que atinja a plenitude do potencial que lhe detetámos e, muito importante, qual a estrutura com que trabalhará. Quem manda, no que manda, em quem manda, com que objetivos. Enfim, accountability, transparência, propósito.

Faz de conta que neste campo restrito era eu que mandava chover. Teríamos uma coordenação geral, responsável por todos os escalões até à equipa B, liderada por alguém a quem, conhecendo o clube e o contexto, fosse reconhecida a capacidade para contribuir para a definição do tal “modelo de futebol FCP” e implementá-lo. Ou seja, criar o fio condutor, o elo, que tornasse formal e imediatamente evidente a transversalidade do modelo. Eu gostava de reconhecer a marca FCP em qualquer escalão da formação, independentemente de quem fosse o treinador. Ah mas isso até acontece, dirão. Talvez. De forma informal as pessoas vão-se acertando, dada a proveniência transportam alguns dos valores do clube, têm impressa a memória do que eles próprios viveram. Agora plano? No lo creo.

Ainda por cima, há gente perdida pelas Arábias e pela China a quem assentava que nem uma luva este papel. Malta que, empossada, não se deixaria engolir pela máquina, espero eu, como um Castro da vida. E, ao mesmo tempo, capaz de perceber que a função termina no degrau que antecede a equipa principal. Aliás, todo o seu trabalho tem como fim último o sucesso galáctico de um terceiro.

Ora, quem defende isto e se confessa adepto, sei cá, de um Oliver Torres, do bom do meu sósia Pep e assim por diante - mas também do nosso Mourinho, de Messi, mas igualmente de Ronaldo, com latitude para apreciar uns e outros - não poderia entregar o zénite desta estrutura a Sérgio Conceição. Quanto mais não fosse, porque teria toda a gente estado a bulir pró boneco. 

Ter um plano não significa acabar com a criatividade individual, significa apenas enquadrá-la e colocá-la ao serviço do que é comum. Reconhecer o génio, sim, mas ter claro que só é genial o que contribui para fortalecer e cumprir o propósito. O resto é foguete. Parecendo que não, fica implícita estabilidade e coerência. E é um modo de agir que se dá mal com estados de humor e truques de comunicação.

É mais ser o puto meio enfezado, de óculos, que tira sempre grandes notas e por quem ninguém dá um tusto quando chega a hora de andar à porrada. Da primeira vez. Porque afinal, vai-se a ver, o gajo sabe karaté e judo e krav maga e o caralho que os fodeu a todos. Um gajo com um plano.

Em resumo, dentro do que racionalmente eu defenderia, pelo menos de momento, a conclusão do post anterior não poderia ser outra: bye!

...

Dá-se o caso de Pinto da Costa não estar nada de acordo comigo, o que lhe fica mal, já se sabe, e olhar para o próximo como apenas mais um mandato da sua já longa caminhada em defesa do FCP. Este não foi o último e o próximo também não será. Ao mesmo tempo, parece provável que continuemos com o plano de não ter porra de plano algum.

Assim sendo, a nossa única hipótese é ir lá na marra. Porque somos adeptos e queremos ganhar e fazer festas e não ter que levar com os outros a ficarem com as nossas alegrias. Vai daí, é apostar as fichas no que podemos fazer. 

Se não somos o puto com um plano, é melhor que sejamos o matulão cheio de músculos. Vamos sacar uma ou outra garina, belas prateleiras, excelente rabo e assim, que não terá paciência para nos aturar por muito tempo. Calha bem que também mudamos depressa de gostos e vontades.

A questão é que se não conseguimos ver um caminho pelo meio do nevoeiro da floresta, a alternativa é ir em frente. O que significa que é muito provável que espetemos com os cornos numa árvore. É bom que tenhamos uma cornadura grande e forte e hiperdesenvolvida, maximizando as hipóteses de ir a árvore abaixo antes de se nos partirem as hastes.

Quer dizer que duvido da aposta na formação, porque o que formamos não manda carvalhos ao chão à cabeçada; duvido que a política de contratações tenha o fito de preparar solidamente o futuro, sendo mais do que uma coleção de oportunidades; duvido que a equipa B seja o estágio à Ordem dos nossos melhores alunos, porque nem chegamos a ser uma escola organizada; duvido que tenhamos sub 23, libertando a B para aquilo que aparentemente se pretende dela: minutos para os A que não jogam e castigo para meninos que se portam mal.

Do que não duvido é que tenhamos uma equipa competitiva, cheia de garra e raça, unida, com fome de vencer. Não me parece que vá jogar muito bem, mas acredito que pode ganhar. É por isso que, mesmo eu, agradeço que Sérgio Conceição fique. Porque é o nosso melhor plano. É o único, na verdade.

Assim sendo, por justiça, há que convir que a renovação com o treinador é um lúcido ato de gestão. Bem o Presidente. Agora é assumir que lhe deve ser entregue a batuta, deixar claro, se não estiver, que Luís Gonçalves tem que ser um moço de recados do treinador, fazer o que ele lhe disser dentro do que a SAD quiser pagar e seguir a voz de olhos fechados. Nós cá estaremos para empurrar.

Espero que também estejamos, porque a altura virá, para julgar os resultados. E esses vão um pouco para lá dos títulos que se ganham. Radicam igualmente no potencial que reconhecermos para repetir as vitórias. Ou não?

...

Entretanto, tudo começa com execelentes noticias: esta época não precisamos de ir ao Batalha para ter espetáculo! Uma vez que o preço do meu lugar anual subiu e já está ao nível do bilhete de temporada do São Carlos, tenho a certeza que me vão dar ópera todas as semanas. #SADbem

...

3 comentários:

  1. Perfeito. Só faltou mesmo um último parágrafo que podia ser assim. “Como nada disto vai acontecer entenda-se que este Balanço terá antes que se intitular Crónica de uma Morte Anunciada.”
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Ópera?!!!
    O Maestro gosta é de Zé Cabra.
    Venha lá o Zé Luis para malhar no bombo.

    E o Sisto mesmo à mão de semear! Mimoso, bem conservado e barato.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Epá, desculpe o atraso da publicação, mas tenho estado ausente por isto e por aquilo. De resto, o Pione será sempre bem-vindo. Nem que seja para encher uma placa.

      Eliminar