quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

A Mesa do Canto: O homem charmoso - definição (por Gabriela Maia)



NOTA INTRODUTÓRIA

Ano e meio após me ter sido solicitado pelo meu mais-que-tudo (e muitas referências ao quanto eu desconsiderei o pedido), aqui vai um pikeno textinho de minha autoria.

O tema foi-me dado, mas acho que, embora abordado, não era bem isto que o Silva pretendia.
Oh well, life sucks! Tu não mandas em mim e eu sou uma gaja imprevisível!


PREÂMBULO

Enquanto na prática e no mundo real e concreto seja um facto largamente comprovado que os anos passam, o mesmo nem sempre é certo dentro das nossas belas cabecinhas.

A mais nova, por exemplo. Sabemos que cresceu. E sabemos porque a roupa de outros anos vai deixando de servir em comprimento e, em zonas especificas e localizadas, em largura também. Porque chega a casa e se enfia no quarto e só sai para comer, fazer a higiene pessoal e lavar a (pouca) louça (sob veementes protestos, TODOS OS DIAS e uma ou outra tentativa de greve de fome). Porque já não corre desenfreada e aos gritos nos espaços públicos, como uma criança que viva habitualmente encarcerada. Porque (GRAÇAS A DEUS) já não faz birras 328 vezes ao dia… agora só amua 233 e reclama de tudo, na generalidade, 981.

Mas depois chegam aqueles 15/20 minutos que sucedem o jantar (TODOS OS DIAS! E eu cá tenho a teoria que é uma mera estratégia para adiar a lavagem da louça, à espera que alguém se esqueça ou que a mesma se lave sozinha.) e é o descalabro! Recuamos 10 anos no tempo e de repente a menina tem outra vez 4 anos. Não satisfeita, o avozinho desencarna nela, qual morada aberta, e lá vem o Acácio (Uláááá!) infernizar-nos aqueles momentos em que, iniciada a digestão e possuídos pela preguiça, o que nos apetece mesmo é estender as perninhas na cama, com o computador por cima e regalar-nos a ver episódios de séries várias, literalmente até à exaustão. E dormir. Mas não!

Nem vou estender-me com os pormenores, porque este não é o tema do post. Posso só dizer que com tantos gritos e barulhos diversos, os vizinhos devem pensar que a menina é vítima de graves atentados à integridade física; vulgo, violência doméstica. Nem sei como nunca fomos visitados pela Segurança Social… mas vai-se a ver, estará para breve. Adiante.

Num destes dias, a propósito dum jantar de consoada de S. Martinho (que, como tão poucas pessoas conhecem esta antiquíssima tradição, eu começo a desconfiar que é uma invenção da minha mãe para nos por a comer bacalhau com batatas e couves, castanhas e bolo rei, fora da época Natalícia), a conversa derivou para a política e a miúda aborreceu-se. Ora, sendo horas do Avô Acácio nos fazer a habitual visita e estando o senhor à vontade, visto que aquela fora mesmo a casa dele, lá desceu sobre a rapariga e, a partir daí… não sei como se desenvolveu a conversa da política. Mas também, duvido bastante do interesse dos temas em debate. No harm done.

Na ausência de uma cama, de um computador e da ameaça de uma “noite sem tecnologia”, demos por nós agarradas ao telemóvel, a fotografar pormenores do rosto, de preferência passivos de provocar náuseas e repugnância. Sim, tínhamos acabado de jantar e não teria piada de outra forma!

Ele foi o interior das narinas… acreditem, não é bonito ver em pormenor esta parte da anatomia de alguém que até anda meio constipado. Não é não! (Devo acrescentar que os telemóveis, hoje em dia, estão dotados de potentes câmaras, com uma resolução extraordinária. Para o bem e para o mal.)
Ele foi uma borbulha (vulgo espinha) pubescente…

Ele foi um olho com a particularidade de ter um sinal na íris… Hã?


AO QUE INTERESSA

E pronto, todo este preâmbulo foi para nos trazer a este momento específico. Era dispensável? Era. Podia ter sido MUITO mais breve? Podia. Mas eu tinha esta dívida e estou a pagar com juros (e com sorte, para a próxima, pensam duas vezes…).

Àqueles que ainda estão connosco e ainda guardam uma réstia de esperança que a coisa se componha, agradeço a paciência, mas aviso já que isto não vai melhorar!

(Aguardemos então uns momentos para que os desistentes possam ir à sua vida, fazer coisas interessantes, enquanto choram pelo tempo perdido que não recuperarão nunca mais.
Ok, parece que se foram. Vamos então…
Ups, aquele senhor pensou melhor e também vai.
Sim, agora estamos em condições de continuar, nós os dois – eu e tu, babe!
...

Ficámos, então, num close up de um olho que diz que é meu. Diz que é, porque eu ainda tenho as minhas dúvidas! E porque é que tenho dúvidas? Porque lhe vislumbrei umas pequenas riscas em redor (vulgo pés de galinha - porque rugas não serão certamente! Ai o caraças!), que não se coadunam nada com a frescura destes meus 18 ou 20 e poucos (mais 1 ou 2) anos! Shit! Queres ver que afinal não tenho 35 anos?! Merda de câmaras potentes com resolução extraordinária!

E esta estranha descoberta desencadeou uma crise existencial que me levou numa viagem de profunda introspeção, em que me coloquei as célebres questões básicas que assombram todos os seres humanos: Quem sou eu? De onde venho? Para onde vou? Qual o significado da vida? O Benfica ainda tem hipóteses de ser campeão?... (Quêêêê???!!! Queres ver que discriminam os benfiquistas aqui na Tasca!)

E a que conclusões cheguei?, perguntam vocês. Bem, relativamente ao Benfica, não faço a mais pálida ideia, porque não percebo nadiiinha de bola, para além de que é um tema que ora me entedia, ora me aborrece!

Quanto ao resto… posso dizer que fiquei um teco deprimida! Passo a explicar.

Ora bem, eu sou uma gaja, certo? Certo! (Podes afiançar isso, luv!) E nós, gajas, somos o fairer sex. Somos aqueles seres lindos, maravilhosos, sexys, misteriosos, manipuladores, distantes, com mamas e pernas e rabiosques apetecíveis. Blá blá blá!

Passamos uma parte da nossa vida (metade, mais coisa, menos coisa, se atendermos à esperança média de vida) a ser veneradas, desejadas, endeusadas. Enquanto os gajos são considerados o refugo da evolução, não obstante haver um ou outro exemplar bonito e/ou jeitoso, mas sempre de qualidade física inferior à gaja! “Nós, gajos, somos feios, sem jeito e tal e coisa!” – dizem os próprios à boca cheia. Dizem sim, que eu já ouvi! E de repente, sem que nada o anuncie, por isso nos apanha despercebidas, o cenário muda! Inverte-se!

Chega a altura em que nós, Deusas do Olimpo, por força de esgotarmos o tempo para cumprimento do nosso desígnio biológico enquanto espécie, parece que deixamos de fazer falta e por isso podemos definhar e falecer à vontadinha! É, a natureza tem estas coisas engraçadas, sem ter piada nenhuma.

Como dizia o meu novo médico da especialidade das partes íntimas e zonas correlacionadas: “As mulheres nascem com um armazém de células - os ovários - e, por volta de uma determinada idade, esgotam o número de óvulos disponíveis. Ora bem, a partir desse momento, as mulheres deixam de ter uma função biológica e começam a envelhecer… e morrem. (O dito senhor é bastante pragmático a falar… bruto, mesmo! Mas depois até é fixe noutras coisas e eu simpatizo com ele. Não invalida que me deprima, obviamente. Oh well, mixed feelings.) Já os homens – continuava ele, orgulhoso de si próprio e de fazer parte do grupo dos felizardos -, nascem com uma fábrica de células! Os testículos que produzem os espermatozoides. E produzem-nos até morrer!” – e parece que incha de tanto orgulho! Ou seja, depreende-se que a função biológica dos homens é válida por tempo indeterminado. Como os contratos na Função Pública: é para a vida!

Mas voltando ao assunto que aqui nos traz, por muito injusto que isto me possa parecer (e é!), nós mulheres, depois de sermos as melhores e as maiores, envelhecemos! Só isso: ficamos velhas aos poucos. E não melhora. É até morrer. Kaput!

Pimbas, uns cabelos brancos aqui (vai de colorar com regularidade), umas rugas ali (uma pipa de massa em cremes e massagens e tratamentos), umas peles descaídas acolá (mais cremes e mais massagens e mais tratamentos), umas gorduras acumuladas por todo o lado, com especial enfoque na barriga para parecermos velhas e, ironicamente, grávidas e com refegos a sair por todo o lado (ginásio à força toda). E isto para não falarmos das mudanças de humor repentinas, do termostato avariado, das insónias e o diabo a sete! Olhe-se por onde se olhar, não há nenhum lado positivo neste processo.

Passamos de Deusas a cangalhos! Fuck! E sem perspetivas de melhoria até ao fim dos nossos dias. Double fuck!

E os produtores infinitos de espermatozoides? Sim, esses tipos mal-enjorcados que passaram metade da sua vida a invejarem-nos e a desejarem-nos? O que lhes acontece? Também envelhecem! É, leram bem, envelhecem… mas não envelhecem só: ficam CHARMOSOS!

Os homens melhoram com a idade!!!! Aaaaahhhhh, ironia!!!!!

Parêntese: Ok, nem TODOS os homens envelhecem bem, é certo, mas também nem TODAS as mulheres são Deusas, correto? For the sake of argument, vamos generalizar e pronto. Todos (eu e tu, amor, que somos quem aqui chegou. Se bem que me pareceu que ali atrás leste na diagonal…) de acordo?

E o que é um homem charmoso?, perguntas tu. (E perguntas. E perguntas. E tornas a perguntar. Há um ano e meio.)

Não é fácil responder, porque a minha opinião é isso mesmo: meramente pessoal. E nunca fui fundamentalista de ideias e conceitos, por isso charmoso é isto, mas também pode ser aquilo.

Não, não estou a fugir ao assunto, não senhor! Estou aqui prontinha para responder a esse repto, com toda a minha sabedoria acumulada de pés-de-galinha, peles descaídas, refegos vários, afrontamentos e instabilidade emocional.

What?!...


JÁ NÃO ERA SEM TEMPO

Nossa!!!! Já são estas horas?!!! Meu Deus, como o tempo passa!

Credo!!!! O texto está assim tão extenso?!!! Deus me livre, como é que alguém (tu, babe), teve paciência para ler esta trampa até aqui? Continuas a surpreender-me. Pela positiva. E é por isso que te amo. E pela tua linda e enorme pila também, claro!

Bem, mas agora não te vou fazer perder mais tempo precioso, porque sei que és uma pessoa super, híper, mega ocupada e, por muito que me custe e eu gostasse, a resposta à tua questão terá de ficar para outras núpcias. Bolas!

Anyway, talvez daqui a um ano e meio!
Ou 20, quando eu chegar a essas idades em que as mulheres envelhecem e, então, acumular essa sabedoria toda a que fiz referência ali atrás.

Love u, my hero!

Por Gabriela Maia

Esta gaja opta por escrever na ortografia antiga umas vezes, noutras não. Boazona! 

...

É tããããããããooo foooooofa! Às vezes tenho receio de a apertar tanto que lhe esmague o tórax. E parva, também é bastante parva! Love u back, my Queen Bee.

...

Soundtrack to a half: The one with all the strenghth.

17 comentários:

  1. Só escrevi na ortografia antiga se algum corretor parvo aparvalhou! Porque eu sou uma gaja nova e moderna e, por isso, uso a nova ortografia. Como eu... nova! Claro!
    <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Shiu, não estraga a piada ao menino. volvo! :)

      Eliminar

  2. gostei muito de ler, D. Gabriela. volte sempre, que os clientes da Tasca são muito simpáticos - excepto os que têm furúnculos, como eu :)

    beijinhos e até breve!
    Miguel Lima, | 92° minuto

    ps:
    shôr Silva, a banda sonora não está disponível. bem sei que gosta de 'hard', mas por vezes 'soft' também é bom - e os Silvas (aka The Smiths) têm um clássico que casava bem com a prosa. pense nisso

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está disponível sim senhor. Aposto que já te bloquearam foi o acesso ao youtube. Tipo, têm drones a espiarem-te e sabem quando és tu a tentar entrara e assim... :)

      Eliminar
  3. "Olhe, ponham-me numa dessas conferências e depois conversamos. ;)"

    Pois Sr. Silva, mas se quer dar ainda mais classe à coisa, é melhor não ir sózinho. Há aí por casa quem acrescente muito mais ao... charme.

    PS - Fica mais fácil para mim compreender porque se reencarna no Oliver.
    Com um Brahimi dentro de portas, não admira que passe a vida a fazer rotundas, só para não lhe passar a bola. :))
    Valeu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Opá, a bola é dela! Só jogo quando a moça deixa :)
      Obrigado(s) pela simpatia.

      Eliminar
    2. Credo! Tanta metáfora de bola! E eu que não conheço ninguém... é a ironia do destino. Só pode! :D

      Eliminar
    3. Não ligue ao mau feitio dos "velhotes" do camarote dos Marretas Dª. Gabriela.
      Uns dias, divertidos e bem dispostos ( cincoadois Sr. Silva :))) ) outros, a resmungar por tudo e por nada.

      Parabéns pela prosa e como o Anónimo aí de casa também parece ter muito jeito para a coisa, aguardamos com ansiedade o que sairá de quem já não faz birras 328 vezes por dia.
      Pelos genes, promete.

      Eliminar
    4. eheh, está pedido. Mas já se sabe, é cisa de "cota", a menina não tem tempo...Uma galheta, a ver se não se despacha com a porra do texto! :)
      Cincadois pois! A qualidade da musica é que...oh, que se lixe!

      Eliminar
    5. Cincadois, a qualidade da música para mim foi...ópera.:)))
      Ouvir, já ouço mal e posso estar confundido, mas eu quero é ver o Porto no lugar que é seu por direito próprio, que é sempre nas 16 melhores equipas europeias. Há um ano embalaram-nos com Balalaikas, portanto...agora até pode ser com o "corridinho", desde que os aviemos, para mim está bom.
      Os Cotas há muito que não mandam galhetas, deixe a menina dar largas à imaginação no tempo que lhe apetecer.:))

      Eliminar
    6. Pá, pois, eu também, só que...quanto pior for a música, mais perto estamos de ser eliminados dos concursos.
      Ai não que não dão. Dão pois! (not) ;)

      Eliminar
  4. Finalmente. Uma gaja de colhões na Tasca para por o Sor Silva na ordem. Agora isso de ter que ficar mais ano e meio(ou 20) a espera da resposta é que não parece promissor.
    Sor Silva faça là os trabalhos de casa no proxima fim de semana para a sua senhora ter um tempinho para voltar a escrever.

    P.S. Apesar de ser a 1 vez que escrevo sigo atentamente a sua prosa e digo-lhe, se a sua senhora decide se apoderar da sua Tasca penso que perderà o emprego e la teremos mais um desempregado neste pais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-vindo e obrigado pela preferência, Carlos.
      Isso é o que eu também acho, majamoça diz que dá jeito dois salários. E eu que tenho tanto jeito para ser sustentado...;)

      Eliminar
  5. Por detrás de um bom escritor está uma grande escritora, já dizia aqui o je!!!
    Palavra de honra que só em casa de portistas se encontra gente com nivel desta estirpe e não! Não tou a dar graxa nenhuma!
    Mas há um pormenor que tenho que concordar com a Gabriela, os homens são mais "nobres" a envelhecer. É o meu caso, por cada ano que passa só envelheço 2 minutos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, mas aparentas ter menos 1 minuto que isso :)

      Eliminar
  6. Que Top. Muito bom. Agora já sei de onde vem a inspiração para a qualidade do vinho aqui da tasca.
    Um texto bastante interessante.
    O que é envelhecer mal ou envelhecer bem?
    Cada cabeça pensará uma série de coisas com certeza.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, as verdadeiras musas não são Marega. :)

      Eliminar