quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Rolo de carne e saltimbocca

Vamoláspacharisto que está o rolo de carne a arrefecer, blöd.

Conformados, resignados, tristes, mas de cabeça levantada. E ainda conseguíamos juntar mais umas 500 expressões feitas à lista. Trata-se de malta tão Portista quanto eu - boa parte de vocês, portanto - a afagar o melão.

Porque sempre que o FCP perde, contra o Tondela ou contra os Romanos, é nisso que se transforma a nossa cabeça. A única diferença, é a maior ou menor dificuldade que temos em engolir as talhadas. O melão de ontem é, aparentemente, dos docinhos. Um gajo não tem vontadinha nenhuma de o comer, mas, assim fresquinho, até marcha menos mal.

Eu cá, queria antes outra fatia de rolo de carne.

Como seria de esperar, não embarco nada nessa onda conformista. Já sei que é ponderada e racional, séria e lúcida, mas é, quanto muito, metade da história. Setenta e cinco por cento, vá. Pronto, noventa. E nove?

- Fechado, xôr Silva!

...

Eu gostava de ter visto mais de meia hora daquele jogo. Queria saber até onde nos levaria a (imensa) Alma e a (grande) solidariedade; contra o (muito) futebol dos coisos. 

Começou engraçado, foi ficando como seria natural, descambou completamente com a expulsão. Se é verdade que por essa altura ojôtros já dominavam, também é certo que isso, nos dias que correm, não é propriamente desconfortável para nós. Portanto, aquilo do "ah e tal, mesmo com onze já não mandávamos", é uma perfeita balela. 

A nossa ideia de jogo não é mandar em ninguém! É fazer de conta que estamos no quarto, de castigo, e bazar pela janela. Quando derem por ela, já andamos de língua na boca da Carlota Popota, que pode ser anafadita, mas tem uns belos melões. Ops, melões não, carago.

Quer isto dizer que teria sido bom ver o último quarto de hora da primeira parte daquele jogo. E a segunda parte inteira. Perceber de que modo os treinadores explicariam, pelas substituições, o que queriam da vida. Pela amostra, o nosso queria ganhar. O que se louva. Não vou agora bater no moço, por ter feito aquilo por que, não o fazendo, o desanco. Queríamos um golo, para podermos jogar igual lá na terra dos coisos. Acho bem. Se bem que...íamos jogar igual de qualquer maneira. Aliás, vamos.

Vai-se a ver, tinha sido útil alguém explicar ao NES que, apesar de ter projetado jogar com dez, muito cedo ficámos com nove. 

Anyway, foi o que foi. E como Dragão tem asas, mas não é peru, isto não acabou. Pode ser para cumprir calendário, pode ser impossível, um disparate, uma cena que "só mesmo na cabeça do Silva", mas a verdade é que vão ter que jogá-lo:

O (muito) futebol deles, contra a nossa (imensa) Alma. No fim, falamos.

...

O mais importante, como sempre, são as coisas boas que ficam. E ontem foram muitas e inúmeras, já descontando as partes positivas do que ficou escrito acima. Ah poijé, bebé:

• Boa gestão de cartões amarelos do Alex Teles. Uma vez que o jogo de volta não conta para nada, arranjou maneira de se limpar. Está prontinho para a fase de grupos 2017/18. Ou para os quartos...

• Excelente regresso de Layun às assistências. Persistente, não desanimou com o falhanço de Herrera à primeira e lá assitiu um gajo para golo. Agora é só continuar a fazer o mesmo, mas sempre na outra baliza. Fácil.

• O espírito de sacrifício de Herrera, a jogar mais de 40 minutos com um pé feito num acidente ferroviário. Grave. É de capitão, sim senhor.

• O Espírito de Santo Sacrifício do Nuno, que sacrificou a equipa a jogar mais de 90 minutos com os dois pés do Herrera. Isso sim, é pôr à prova a capacidade de entreajuda de um grupo. E os nervos de outro.

• O colinho do Dragão. Vénias múltiplas, pessoal. Que nunca mais a nossa casa seja fria e hostil para os nossos. Oh sim, não passou tempo suficiente para que possamos fazer de conta que não aconteceu. No more!

• Esta certeza de que a malta da rotunda vai pagar o carrossel e a fartura! Cincazero. Com Oliver.

• O rolo de carne! Credo, ca bom que estava. Aí está uma combinação de que não me lembrara antes: Rolo de carne com melão. Vai muito bem.

Olha, mulher, de paga, em março faço saltimbocca com risotto caipiroska. Sem melão!

17 comentários:

  1. De facto, o pé de Herrera é tal e qual a cara. Já os lenhos, até nem tinham mau aspecto.

    O rolo de carne foi bem com um super toscano e uma grappa no final. Pouco a criticar.

    Falta-me só destacar o apoio do Dragão, que por desleixo não fiz em casa própria. Bonito, sim senhor. Até a dar coordenadas ao pobre do Héctor Miguel...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Achonque gostei tanto do jogo do rapaz como tu. Quanto à atitude, curvo-me em respeito. Agora, porque recarga de água o obrigaram! a tê-la, escapa-me. O Rúben treinou hoje, pelo que não me parece que estivesse aleijado...

      Eliminar
    2. Enoja a constante depreciação do trabalho de Herrera.
      Adeus!

      Eliminar
    3. Antes de mais, bem-vindo José.
      Depois, pela parte que me toca, aprecio - no caso, deprecio - o trabalho do Herrera neste jogo, porque é dele que tratámos. No próximo, se verá. E a minha opinião é que o Herrera demonstrou, de novo, um enorme espírito e uma alma imensa, como o resto da equipa, aliás. Bem demonstrados pelo estado em que ficou o pé. Ponto. Mais nada. Ponto. Porque teve que continuar a jogar, interrogação. E o que trouxe de proveitoso à equipa, interrogação e reticências.
      Finalmente, adeus, sem exclamação, para não parecer uma coisa assim definitiva. Lido mal com despedidas, é por isso.

      Eliminar
  2. Muito "poucachinho". Grande Herrera, Brahimi, Felipe, Marcano e Casillas. Os outros borraram-se todos, Danilo incluído, desta vez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande na atitude à capitão. Aquele pé é uma desgraça. E ficou ainda pior com a pancada. :) Quanto ao jogo...vá, está a fazer uma rotunda, a la Oliver... ;)

      Eliminar
  3. Apesar daquele pé ser uma desgraça, foi o único que tentou incomodar o Sr. com dores de barriga que defende as cores da Juventus. Só houve mais um lance em que Brahimi vai para cima deles tabela com Depoitre, perdão Soares ou Aboubakar, ou Vinha e este dá uma biqueirada daquelas a cair a pedir falta, que, se soubesse, deixava Brahimi isolado. Mas eles são melhores e lá teremos que ir ganhar 4-1. Azar deles que pensam que já está ganho.
    O terror é ter Layun como defesa! Lá vão os gajos das latas de tinta dizer que a culpa é do Xaninho e que os centrais não valem nenhum. Sempre disseram que tinham de comprar um grande central, Oliver e um matador. Está escrito. Só falta escrever na casa do Adelino Caldeira :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pra já, incomodou com a cabeça, não foi com o pé, toma! :) E ao lado, na única oportunidade que tivemos. Raisparta! Aposto que o Oliver marcava. Quero vê-lo agora a provar que não. Nhanhanhanhanha :)
      Isto é terrivelmente simples: 9 pontos para o campeonato, nem que seja de trincha em punho. Depois, voltamos a pensar nestes Romanos...

      Eliminar
  4. Exacto, foi com o pé que estava mais à mão.:)
    Também aposto que Oliver marcava, se fosse às 3 tabelas.:)
    São 9 mesmo e vamos passar os Agnellis

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na pior das hipóteses, passamos por eles ;)

      Eliminar
  5. Nunca te disse. Mas parece que vou dizer aqui. Risotto de Caipiroska não é dos meus preferidos. Sorry, caipiroska por caipiroska, venha a das palhinhas. :(
    Faz outro risotto qualquer. Inventa, até! Era isto. <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não perguntei nada. Estava apenas a informar :)))

      Eliminar
  6. Os "Deuses do futebol" foram uns maricas, foi o que foi!
    Espero que sintam vergonha e que lá, ofereçam um belo dum chouriço, ao Herrera já agora!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comprados pela máfia, oublá! Tudo montado em belos FIAT 500, esses tais de Deuses da Bola :)
      Porque e que haviam de oferecer o Anão Gosmento ao Herrera? Coitado pá, já lhe chega o pé feito num 8...
      Abraço.

      Eliminar