sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

OUTRA desagradável coincidência.

"Ora, alarmado porquê meu caro?! Deixe-se disso, tudo se resolve."


- Acredite no que lhe digo Silva. Aquela história das PULGAS, não é caso único aqui no bairro. Olhe que eu sei coisas... - e balançava os pés espremidos nos sapatos apertados, pendurados acima do chão, enquanto fazia o banco alto rodar para cá e para lá, como faz o cachopo quando se senta num.

- Não me diga! Quero dizer, diga-me, diga-me, conte-me tudo. Adoro saber dessas vidas. Já sabe que serei uma tumba. - cruzo os indicadores à frente dos lábios.

- Silva, seu fiteiro. Como se eu acreditasse que você não os vê por aí, cravejados de mordidelas, atulhadinhas de sacos de compras, sempre nas barbas do desinfestador e do gordo distraído. - e pisca o olho. Está a divertir-se que nem um bacante, o velho.

- Nas barbas de todos nós! - concluo, sábio.

- Somos todos nós o desinfestador, Silva. Não percebe isso? E o gordo também. Noi, il cornutti vi salutiamo!

Sem comentários:

Publicar um comentário