quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Notas para uma Psicologia da Ignorância

Dale Ruff / Springfield Union News

A proibição do incesto é, reconhecidamente, a base da sociedade. Costumamos chamar-lhe família. Não só resolve os problemas da consaguinidade, como obriga a malta a conviver com outras gentes e tal. Senão podia bem dar-se o caso de ficar tudo fechado em casa a ver os novos episódios dos X-Files. Mães, pais, avós, primos e irmãos. Sem que se soubesse bem quais eram o quê a quem. E ainda menos de quem era a responsabilidade de dar a papa aos tolinhos.

A Sociedade é uma coisa importante para as pessoas. Vá que nenhum homem é uma ilha - nem o Demis Roussos foi, embora tivesse perímetro para isso. Acontece que se me ponho a pensar nestas coisas sociais, chego sempre à conclusão que o verdadeiro alicerce de tudo é mesmo o individuo. O fulano, pronto. E na base dele, a ignorância.

Era mai'bonito, confesso, se agora discorresse sobre as maravilhas da curiosidade, o fogo de partir à descoberta do que não se conhece. Enfim, da ignorância como ignição do imenso incêndio da alma. E de facto, esse será um tipo. Mas a que conta, mesmo, mesmo, mesmo, é mais trivial. Sendo que também não é a ignorância de ser burro. 

Ignoramos, ponto. E é disso que vivemos. Ignorar permite-nos manter a zona de conforto e permite aos outros pensarem melhor acerca daquela coisa que poderia, eventualmente, retirar-nos de lá. Como se lhes disséssemos: Olha pá, vou fazer de conta que não percebi isso, de modo a que possas fazer de conta que não o disseste/fizeste/provocaste. E assim, poderemos continuar tranquilamente a fazer o que quer que estivéssemos a fazer. Que não era isso, digo-te já. 

É ajuizado o outro aproveitar esta oportunidade. Caso contrário, é provável que venha de lá um molho de bróculos: Ai sim? Ai ele é isso? Então pega lá isto tudo de volta e mais uma tonelada de coisas chatas para ti. Ou vais ignorá-las? Não que isso possa resolver o problema inicial, está claro. Mas nem esse é o objetivo. O que se procura é que o outro fique com tanta coisa para resolver, ele próprio, que não tenha tempo nenhum para voltar a pensar na questão que levantou. Que nos era desconfortável. E, por isso, optámos por ignorar. Nem que seja à custa de tanto trabalho.

Também é frequente ignorarmos sem esta resma de considerações associadas. Uma ignorância mais superficial, talvez, mas igualmente eficaz. Podemos fazê-lo num duplo sentido:

a) Deixamos no ar aquela sensação de 'evespensarketenhopaciênciapressetipodmerda. Mas de forma polida, sem provocar nenhum confronto. A existir, terá sido o outro a iniciá-lo, normalmente com a onomatopeia "mastutásmaignorar?". E nós, plácidos e serenos, ou ofendidos e em surpresa, respondemos: Eu? Mas estamos a aparvalhar, é? O que foi, diz lá? Seja qual for o motivo desta ignorância, passou a ser demasiado pequeno/parvo/mesquinho para fazer sentido. Se não fosse, não teria passado tão despercebido, certo? Resta ao outro a vergonha e o ressentimento. Ao um sobra o tempo que não terá que despender a pensar num assunto para o qual, claramente, não tem solução/resposta/interesse. Resolvido.

b) Opta-se pelo estado mais puro da ignorância. O sou surdo, ceguinho e tapado como uma porta. Nem ouvi. Não vi, não reparei. Não entendi. Esta é uma atitude, antes de mais, profundamente altruísta. Todo o nosso esforço está concentrado no outro. Em dar-lhe a oportunidade de não nos maçar. Eu fazconta que não oiço, tu fazconta que não deste um piu. Resolvido.

Não menos importante é a auto-ignorância. Aliás, é até a mais importante de todas as formas de ignorância. Ignoro-me. Ignoro as partes de mim que me não são assim tão convenientes em cada momento. Ignoro que tenho uma ganda penca e gozo com ajorelhas do Herrera.

- Quem tem uma grande o quê, Silva?

- Tinto, senhor Monteiro da Silva?

- Oh Silva, diga lá, é quem?

- Está a sair Berto, deixa só derreter o queijo.

- Silva, aqui, aqui. - Acena com o braço. - Estava você a dizer que... - Interrompo:

- Que são trêjeuros e bintecinco. E é muito rápido, ohfaxabôr!

Digamos que - ainda que inconscientemente, de forma não deliberada - ignoramo-nos de modo a podermos reivindicar. A verdade é que se antes de pedirmos/reclamarmos/protestarmos o que seja, fizermos um auto-exame acerca do que é podre em nós, permaneceríamos calados. E ressentidos por não dizermos. E furiosos com o nosso ressentimento. Culpa de alguém, que não nós, naturalmente. Basta ignorar que fui eu que me calei para poder expiar a minha fúria em alguém que me calou.

A merda é ter noção disto. Escrevem-se posts sem piada nenhuma e sem ponta por onde se lhes pegue, se calhar. No fundo, é um disparate pegado, mas tem boa intenção. O que queria dizer é que a ignorância é uma coisa boa. Que nos permite viver tão felizes quanto possível. Quiçá, roçar o Éden.

- Aquela do Clube de Xetrip, Xilva? Xeu ganda maluco! A Eden, munta boa.

- O Éden, Berto. O!

- 'Ochpoij, xe não ximporta, traga a minha continha. Kinda tenho que pachar no Banco. Xempre a correr, xempre a correr... 

Atente-se em São Mateus: "Bem-aventurados os pobres de espírito, que deles é o Reino dos Céus". Existem duas interpretações para a frase. Ou bem que se refere aos tolos, ou então aos ignorantes, no sentido de burros. Usamos a expressão para ambos e está despachado o problema. À luz desta Psicologia da Ignorância, a coisa pode ganhar um sentido terceiro: Os pobres de espírito são, na verdade, os que ignoram tudo o que os pode desviar do caminho. São os conformistas mais abnegados. Deles o Reino dos Céus.

O que Mateus quer - mesmo! - dizer, é que o Reino dos Céus será dos humildes. Dos que aceitam que há coisas que não podemos, nem é suposto, compreender. Um Mundo invisível para lá da nossa inteligência. Que os orgulhosos tomam por medida da inteligência Universal. O Reino dos Céus é dos crentes, portanto. Não dos tolos, nem dos burros, nem da malta que assobia para o ar, nem dos que são lestos a apontar, antes que os apontem. Imaginem uma placa à porta do Reino dos Céus que diz "Para sócios apenas". É maijómenos isto. Ignorantes.


...

- Tájaber Pedro? Não te dizia? Irra, mais à vossa teimosia. Um gajo não se pode lembrar de tudo. Queria ver se existisses desde sempre e para sempre, se te lembravas de tudo. Dass. 

- Tem razão, Senhor. - Corado. - Peço, em meu nome e de toda a equipa, mil perdões. Sempre entendi assim. E depois, já se sabe, o Mateus...


- Pá, tábem, deixa lá isso agora. Trata é de devolver essa malta toda ao Magalhães Lemos e assim, que já não tenho paciência para tolinhos. Eu Me perdoe, credo.

...

Soundtrack to ignorance: Honesty is my only excuse...


13 comentários:

  1. Na minha humilde opinião de filósofo de esquina, estou em crer que a ignorância é a mãe de todas as sabedorias!
    Como também acredito que é a hipócrisia, a ganância, o agarrar desesperado ao materialismo, que faz que haja gente (a imensa maioria, ó imensamente imensa!) que acredite em deuses, resuscitações, vida para além da morte e que os humilhados, escravizados e torturados neste mundo irão herdar um reino acima das núvens onde tudo será flores e múscia. Haverá charros?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo sim, pelo não, é levar alguns... :)

      Eliminar

  2. o peni... demis roussos, esse camandro! demis the peni... exactofactamente... regresso à infância e aos Sábados em que os meus pais escutavam a telefonia na Rádio Renascença.

    abr@ço
    Miguel | Tomo III

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) obg pela gorja!
      Era para ouvirem a Bola Branca, poijera? :)
      Abraço.

      Eliminar
  3. "- Pá, tábem, deixa lá isso agora. Trata é de devolver essa malta toda ao Magalhães Lemos e assim, que já não tenho paciência para tolinhos. Eu Me perdoe, credo."

    Ganda telex, Silva

    ResponderEliminar
  4. Muito profundo :)
    Concordo, quem vive na ignorância, é certamente mais puro, mais feliz. Desconhece as misérias, os perigos, as atrocidades por esse Mundo fora. Desconhece o que podem fazer os colegas Humanos, tem fé incondicional na própria espécie.

    Muito interessante o conceito da ignorância auto-induzida - que pode, ou não, ser consciente. Do tipo "sei mas vou fazer de conta" ou, pior, "não sei, e prefiro não saber se for contra o que acredito ser". Do tipo "o meu partido é honesto e os outros são todos ladrões". Do tipo "a minha religião é séria, as outras são seitas criadas para enganar o pessoal". Do tipo "o meu clube é correto e os outros é que são corruptos".

    Lá está, a questão da consciência é importante, porque muitos simplesmente são inconscientes, seja por opção, por limitação, por ideologia ou casmurrice - penso que é instintivo, algo sociológico, a "defesa do grupo". Mais grave ainda do que isso - resistirão "até à morte" a quem lhes tente provar o contrário.
    Daí o interesse em "manter os ignorantes", pessoas que pensam são perigosas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-vindo Paulo. Na mouche, digo eu.
      Obrigado pela visita e pela gorja :)

      Eliminar
  5. "Põe a mão, na mão do meu Senhor, da Galileiaaaaa...."

    Seria insuportável reconhecer de forma consciente o nosso lado lunar, desde o indivíduo à Humanidade. Deve ser também por isso que estamos formatados para não passar dos 100... é que mais dois séculos e começávamos a não conseguir ignorar a horrível besta que somos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, é só isso! Quer dizer, vejamos, eu cá não sou nenhuma besta. Ojôtros é que podem ser. :)

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Olha quem é ele! Pensei que estavas na reabilitação ou assim :)
      Venham de lá esses ossos e dois copos de 3, home

      Eliminar
    2. Afogado em trabalho.
      A ler o mínimo "na diagonal" aqui e ali, nos sítios do costume...
      Mas a tasca é difernete! É para ler com calma, porque tal como quando se lê Nabokov, há muita coisa que depois de se ler apetece voltar a ler, de tanto que há para absorver ;)

      Abraço

      Eliminar
    3. Nabokov? Aborrecido e maçudo? :)
      A freguesia estraga o tasqueiro com mimos.
      obrigado Carrela.

      Eliminar