terça-feira, 17 de outubro de 2017

Para que lado é Marte?

Enche o balde, corre à eira, foge da fagulha, despeja a àgua, volta, enche o balde. Não respires, não desistas, foge da fagulha, despeja a àgua, volta, enche o balde. Corre à eira, até ficares sem beira, olha a fagulha que te apanha, larga o balde, volta. Pega na criança, arrasta a mulher, liga o carro, corre, corre.

O senhor secretário manda dizer que não devias deixar o balde, a senhora Ministra está extenuada, havia de tirar uns dias de repouso, meter uma baixa, mas faz-lhe jeito o dinheiro. O senhor enlutado lamenta que a estrada esteja impedida, as bermas um Inferno só, mas promete que não volta a acontecer. Sofre ele próprio, pois amigos seus de ocasião estão desaparecidos. Omissos.

A criança chora, a mulher grita, o fogo canta, ou será Dom Dinis que recita, qual Nero, perante a sua Roma mandada plantar? Ah, não é altura, agarra no cachopo, nos cabelos da mulher, corre, corre, larga o carro, foge da fagulha, não respires, não desistas, leva o balde, nunca se sabe. Como se corresses à eira, extinta, com uma pouca de água, inútil, vai aos trambolhões pelo meio do lume, antes que o fumo te cegue. Te seque.

Na improvável clareira do Inferno, os telefones não funcionam e os rádios avariaram, mesmo quando era preciso coordenar o salvamento. Diz que o Mundo vai rebentar e tu, já agora, gostavas de estar cá para ver. Parece que o Porto vai ganhar e tu, assim sendo, preferias estar no café a festejar. O petiz tem teste, a mulher tem trabalho, a eira é que já lá não tem nada. 

As televisões mudaram de canal e transmitem as passeatas de protesto, veemente, e gritos de ordem e exigências de dignidade. E aumentos de uns quatrocentos euros, 400. É o povinho que buliu e não mugiu, enquanto lhe vergastaram sem piedade o lombo com o austero chicote; e agora, uma folguinha nas costas, sai em alegre algazarra, reclamando a sua fatia do bolo imaginário. A maior de todas, essa é que é a justa, até deixar de haver bolo. Eira. 

O SIRESP falhou e nos walkie-talkies só se ouve os comentadores falhados, os duendes premonitórios, os sabichões que bem tinham avisado e os populares ávidos do direto, abanando concordantemente as suas cabeças. Distantes.

A rede social está inacessível enquanto a tragédia lavra. Gatinhos e cãezinhos amorosos estarão seguramente a ser deixados para trás, abandonados à sua sorte, quiçá escondidos nos restaurantes que frequentam. O drama suporta-se melhor em ambientes familiares. Poderiam as cabras, assadas, ter ido ao restaurante? 

O tempo que te sobrou para a imbecilidade, meu caro, aí agarrado de unhas e dentes ao cachopo e à senhora, que a eira já lá vai. E as cabras. E a casa. E o carro. Restou esta fuga da mente, uma espécie de descanso. O que daria a senhora Ministra por um momento destes.

Na cada vez mais mirrada clareira do Inferno, não há cibernética, nem cúpula de proteção climática, nem fusão a frio. Não há operacional, nem veículo, nem meio aéreo vindo do estrangeiro. Mas chove. Nem muito, nem pouco, apenas o suficiente para que estes três não se acrescentem a determinada lista.

Não respires, fica direito perante o Presidente, não chores, olha que está a dar na televisão, não protestes, há uma altura certa para tudo. Agradece ao senhor secretário, abraça o senhor enlutado, pergunta pela senhora Ministra. Que não veio, meteu, por fim, umas merecidas férias. Chega-te para lá, que têm de caber na fotografia os senhores que comentam e mais os diretores disto e daquilo, arreda, não tens uma eira para cuidar? Limpar mato? Depois admira-te se arder.

Um estúpido que fez tanto - não! ainda menos! - como os outros, puxa-te pela manga da camisa esfarrapada. Quer pedir-te desculpa por não te ter conhecido noutras circunstâncias. Antes de teres muitos e vários motivos para o mandares apanhar no cu. Desculpa.

Corre, corre, pega na criança, arrasta a mulher, foge daqui antes que venha a cheia. Para que lado é Marte?

...

- Já está, Senhor. - Com ar estranho.
- Muito bem, Pedro. Sei que discordas, mas às vezes tem mesmo que ser. Só aprendem assim, lembra-te do Egipto. - Triste.
- Sim, Senhor. Posso ir, Senhor? - Apressado.
- Pois claro, senhor Pedro, o Pescador, vá lá à sua vidinha. 
- Até depois, Senhor. - Em passo de corrida para a saída.
- Ah, Pedro, é verdade, mantém-me a par da queimada. E nada de disparates, como chuva e assim. Ainda me faltava estragar-se o plano de castigo por falha dos serviços.
- Sim, Senhor. - Sai a correr, comprometido. Bastante.

...

Soundtrack to wildfire: Burn it all!



11 comentários:

  1. Quatro questoes para as quais espero resposta do governo:

    - Quais as causas dos incendios? Como se combatem?
    - Que "protecao" civil é esta? Como se elimina este organismo e cria algo de jeito?
    - Como estes fogos ficam incontrolaveis tao depressa? Medidas concretas e de choque para evitar propagacao?
    - Que ministra é esta? Nao chegam metade dos casos em que revelou incompetencia para ser substituida?

    ResponderEliminar
  2. Outra questao: tendo acontecido o que aconteceu ha 4 meses, como é que o arvoredo continua a arder em cima das estradas? Nao dava para aplicar a lei e mandar cortar isso tudo? Da para proibir a proliferacao absurda dos eucaliptos neste pais? As empresas de celulose têm assim tanto peso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, creio que tem. Mas a celulose não pega fogo aos seus eucaliptos.

      Eliminar
  3. E como dizia o José Gomes Ferreira, é precisa uma auditoria internacional, de para onde flui todo o dinheiro associado ao negocuo dos fogos em portugal, desde ha 15 anos a esta parte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os espanhóis estão a fazer, parece-me. El País?...

      Eliminar
  4. Quem é favorecido pela politica de terra queimada?
    Quem clamava de joelhos pelo Diabo?

    Tirem os fósforos aos gajos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim de repente, não sei. Uma banda de Black Metal Norueguesa? Ande lá, esclareça-me.

      Eliminar
  5. Acho que é a PJ. Arranjou boleia dum carro de bombeiros de Pedrogão I e chegou hoje a Lisboa.

    ResponderEliminar